[Sugestão atendida] Como narrar cenas de briga verbal

segunda-feira, 11 de novembro de 2013

Por: Letícia G (Beta reader – Liga dos Betas)

“Sem contrários não há progresso. Atração e repulsão, razão e energia, amor e ódio, são necessários à existência humana.” William Blake, poeta inglês, em O casamento do Céu e do Inferno.

Grandes histórias são nascidas de conflitos, físicos ou não. Há sempre aquele momento em que ficamos tensos aguardando o próximo movimento do personagem, ou a palavra dita que mudará toda a história. E isso é fato. Narrativas nascem e se desenvolvem em torno de embates. E qual é a melhor maneira de se expor um conflito do que através de uma discussão? 

Não há dúvidas de que, se convenientes e condizentes com a história, brigas físicas são um excelente recurso de avanço da narrativa, mas quando se trata de um desentendimento oral, o nível dramático que se pode alcançar é muito maior, pois é ali que segredos e sentimentos são revelados. Assim, exponho aqui algumas dicas e orientações que podem auxiliá-los na construção de uma discussão, e da própria história, por consequência.


Não crie conflito a partir do nada

Grandes discussões não começam porque Fulano decidiu sentar no banco da janela, mas o Cicrano queria ver a paisagem. Desenvolva o conflito através de momentos anteriores, ou questões acumuladas que vêm à tona. Crie um embasamento para o problema, senão ficará completamente sem sentido e desanimará os leitores. Certamente é algo mais trabalhoso de se construir, mas se deve prezar pela qualidade do texto, não pela rapidez dos acontecimentos.


Não distorça as personalidades dos personagens

Conflitos são trabalhosos, traiçoeiros. Às vezes uma expressão mal elaborada pode confundir toda a cena, e deve-se estar constantemente atento para evitar uma descaracterização do personagem. Quem não acharia no mínimo estranho ver o todo poderoso e orgulhoso Tywin Lannister chorando numa discussão com o Jaime? Situações como essa até poderiam ocorrer, mas apenas depois de um enredo muito bem construído, e que levasse o leitor aos poucos a ver o personagem de outra forma. De qualquer modo, é algo perigoso, evite fugir dessas mudanças. 


Mantenha o foco da discussão em mente

Esse e um dos maiores problemas quando se escreve uma briga verbal: desviar-se do assunto principal. Dificilmente uma briga plausível começaria porque Fulano teve um caso e traiu o outro e terminaria com Cicrano chorando porque a mãe morreu e o outro não estava lá. A situação pareceu confusa? Pois é assim que o leitor fica quando as brigas perdem seu propósito ou abordam coisas demais. Mantenha o foco.


Utilize-se de sentimentos e descrições psicológicas

A dica parece um tanto óbvia, mas nem tudo é tão perceptível assim. Já vi várias cenas de discussão secas, onde eram apenas as falas dos personagens, e nenhuma narração sobre o seu estado psicológico. Ainda que essa prática dê mais velocidade à cena, não é muito aconselhável por manter em aberto os sentimentos dos personagens. Nem tudo fica claro através de uma fala, e é necessário expor isso. Descreva no que o personagem está pensando, se alguma lembrança vem à mente, ou se alguma palavra ativou um sentimento nele. Mas tome cuidado: não escreva longos parágrafos descritivos entre as falas, ou, ao chegar ao final, o leitor já terá se esquecido do que o personagem falou.


Combine o cenário com o teor da briga

Quando digo isso, não quero dizer que é para colocar os móveis da sala sacudindo e pulando porque Fulano está com raiva. Mas, geralmente, quanto um sentimento está muito forte numa pessoa, ela tende a ver as coisas daquele jeito. Quem nunca viu uma cena de filme em que o personagem está tão feliz que o mundo parece sorrir para ele? Um perfeito exemplo é no filme 500 dias com ela, logo depois que o casal passa a noite juntos pela primeira vez.

A seguir está um exemplo de uma pessoa vendo a mesma cena sob duas ópticas: quando está se sentindo feliz e leve, e quando está no meio de uma discussão com o namorado.

Alana saiu do prédio e franziu os olhos sob a luz forte do sol. O dia estava quente, e a cidade parecia mais viva do que nunca. O barulho das ondas batendo nas rochas era fraco, suave, mas nunca nada pareceu tão confortável à jovem. Sentia-se livre, feliz, e inatingível. Era só ela ali, e nada a afetaria.
Alana saiu do prédio e logo se incomodou com o sol quente em sua pele. Escutou os passos apressados de Connor tentando lhe alcançar, quem sabe para se explicar, quem sabe para mentir. Talvez os dois. A jovem caminhou em direção à calçada oposta, irritantemente consciente do barulho das ondas batendo nos recifes. A cidade estava cheia, e tornava difícil a caminhada, mas Connor a alcançou mesmo assim.

           Perceberam a diferença? Espero que sim. Usem disso com confiança em seus textos, mesmo em cenas que não se restringem a brigas e conflitos.


NÃO ESCREVA TUDO EM CAIXA ALTA, É IRRITANTE!!!!!

E não coloquem mais de um ponto de exclamação ou de interrogação, ou qualquer outra coisa. Por favor. O texto fica esteticamente feio, incomoda. Se você precisa falar que o personagem está gritando, só escreva isso. “... — Fulano gritou.” Viu? Não é difícil, e há milhões de verbos e advérbios que podem perfeitamente explicar a urgência da fala do personagem. Também é importante deixar claro que discussões nem sempre precisam ser aos berros. Uma pessoa parece muito mais ameaçadora quando fala num tom mais baixo, por exemplo. 


Faça listas

Antes de começar a escrever a cena, liste quais são as partes essenciais da discussão, quais são os tópicos que necessitam ser abordados, que são obrigatórios para a continuação do enredo. Parta deles e crie outros núcleos para a briga, mas não se estenda demais, ou o foco se perderá. Também não utilize frases compridas demais, seja o mais sucinto possível em sua listagem, para que, no momento da escrita, não se limite apenas ao que já foi pensado. Particularmente, sugiro que se faça um esquema radial, pegando a ideia principal, colocando-a ao centro, e adicionando ideias posteriores e anteriores ao fato central na narrativa. Acrescente detalhes psicológicos, frases impactantes, descrição física. Não se preocupe com repetição de palavras, apenas você verá o esquema. Segue um exemplo:


Connor alcança Alana, e vê que ela está chorando
Alana tenta se esquivar, mas Connor a faz olhar em seus olhos
Alana confronta Connor sobre a traição – fato principal

Ele procura, mas não encontra desculpas. Arrepende-se

Ela se despede com pesar, raiva e mágoa

Connor fica para trás, encarando o chão


Isso foi um exemplo bem básico, basicamente um clichê, mas apenas para facilitar a compreensão. Tente inserir em seu planejamento, os momentos anteriores e posteriores à discussão em si, como ela surge como termina, assim ela não ficará solta dentro do enredo.

Por último, mas não menos importante, não faça discussões sem propósito, apenas para movimentar a história. Fica cansativo e enjoativo, e geralmente conflitos arranjados duram muito pouco, o que não traz profundidade alguma ao texto. 

Leiam também, todo tipo de texto é bem vindo para quem procura evoluir. Encontrem seu próprio estilo narrativo e desfrutem dele, inspirem-se nos grandes escritores, modernos e clássicos. Sempre há brigas verbais e toda uma obra escrita a partir disso. Façam, portanto, a sua própria.



Material consultado: 



12 comentários:

  1. Esse é um tema bem interessante e que sinto que erro muitas vezes. As personalidades das minhas personagens tendem a mudar-se IMENSO durante as discussões e elas deixam de se parecer com elas mesmas. Isso já foi motivo para eu abandonar histórias, inclusivé.
    Não sou de planear os meus enredos ou as minhas cenas, mas sinto que a ideia de fazer uma lista é exactamente o que eu preciso para coneguir manter as discussões fiéis ao necessário. Quer dizer, eu imagino e sei como as coisas devem ser, mas dou demasiada energia ou sentimentos negativos às personagens. Dou-lhes demasiado espaço para elas se irritarem, até mais do que seria necessário ou "realista". Essa lista é uma ideia super simples e não sei como nunca a tive na vida XD. Vou fazer isso daqui em diante. Ser-me-á imensamente útil! Obrigadíssima pelo post! É super interessante e bem simples de entender e de compreender onde erramos, de maneira a podermos evoluir.... Incrível mesmo :D!

    Sobre a parte das miúsculas abusadas e pontos de exclamação, interrogação a mais... ohmeudeus! Sim! Insistam nisso: é feio e incomoda! Interrompe o ritmo da leitura! Quebra o suspense e transforma a leitura numa coisa menos séria! Tudo isso e ainda mais - e tudo coisas negativas XD...
    Um conselho que eu dou, e uma coisa que eu faço, é usar o itálico para mostrar um tom de voz mais carregado, mais irónico, mais duro, mais frio, mais incrédulo, etc. Frisar uma palavra costuma dar o "tom" realista que uma fala teria/ tem na vida real e não arruina o visual do texto. Mas, por favor, não coloquem tudo em itálico ou o efeito pretendido perde-se, ao tornar-se o itálico na norma... É tão ou mais feio que usar maiúsculas nas palavras todas... E não usem muitas vezes, ou torna-se previsível e irritante. É meio complicado, saber quando usar ou não. Mas em palavras chave que alguém quer salientar para a pessoa com quem fala, ou palavras ditas com raiva costuma funcionar muito bem. Digo do que vejo em livros, inclusivé.

    Adorei o post! Muito obrigada, novamente!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sobre o uso em excesso de sinais de pontuação, concordo plenamente com você. Aliás, deveria ter inserido isso no texto, a dica sobre salientar as frases colocando-as em itálico.
      Muito obrigada, fico feliz que tenha gostado e que o post tenha te ajudado de alguma forma.

      Excluir
  2. Muito bom. Vai me ajudar bastante :D Valeu

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom, fico contente que o texto tenha lhe ajudado!

      Excluir
  3. Ótimo texto! Estava com um pouco de dificuldades na minha fanfiction e um dos motivos era uma cena de discussão que pretendo colocar na história. Essa postagem salvou meu dia.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah, que bom então, ainda bem que pude ajuda-lo de alguma forma! Obrigada.

      Excluir
  4. Tenho uma dúvida, na minha fic, tem um "casal" que briga muito, mas eu queria realmente retratar as brigas sem motivo porque eles brigam sem motivo simplesmente pra chamarem a atenção um do outro e os outros personagens comentam sobre a falta de motivo pra eles brigarem. Pra não ficar cansativo muitas vezes coloquei apenas outros personagens dizendo "puxa você viu mais uma briga de fulano e ciclano' ou então quando eles começavam a brigar a narrativa acompanhava outro personagem deixando claro que eles ficaram lá discutindo sem narrar a briga. Assim fica mais leve? Porque minha intenção era mostrar a imaturidade do"casal" em questão, eu meio que justificava as brigas. Mas fiquei meio em dúvida de ter justificado de mais sei la.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Na verdade eu creio que o método que você utilizou de expressar as brigas deles através de outros personagens é uma boa escolha, justamente porque evita essa narração excessiva das discussões. Creio que o problema seria se você criasse uma briga séria e importante para a fic por um motivo simples. Pelo que percebi, você está indo exatamente numa direção oposta a essa, o que é bom. Mas tente variar as maneiras que você utiliza para demonstrar que o casal teve outra discussão. Quem sabe você pode pular toda a narrativa da briga e já retratar o casal reatando depois, mas de um modo que fique claro para o leitor que eles brigaram mais uma vez.

      Excluir
  5. Gostei muito do texto! Foi sucinto e me ajudou a clarear várias interrogações que eu mantinha. Cenas de discussão são épicas e eu adoro lê-las. Pena que nem todas são perfeitas e, como você disse, tornam-se irritantes. Parece que o enredo é um ringue, sei lá ahaha

    Muito obrigada pelas dicas e, bem, só queria tirar uma dúvida: no trecho "De qualquer modo, é algo perigoso, evite fugir dessas mudanças", eu não sei se foi intencional, mas eu fujo das mudanças ou as evito? Só pro caso de não ter notado, rs. Desculpe, sou meio atenta demais às vezes. :D

    Mas parabéns outra vez! ^^

    ResponderExcluir
  6. Muito Obrigada pela dica. O casal em questão não briga depois que ficam juntos. Por isso que achei que poderia ficar forçado sei lá. Com medo de ficar forçado, porque eles não são um casal quando brigam (a famosa tensão sexual), mas obrigada pela dica, o texto foi ótimo.

    ResponderExcluir
  7. De grande ajuda! Eu realmente tento fazer esse planejamento das cenas, mas vejo que preciso evoluir muito em desenvolver com detalhes. Muito Obrigada.

    ResponderExcluir
  8. Juro que corri para o word assim que acabei de ler. Estou escrevendo um capitulo em que muitas brigas acontecem (isso que dá escrever uma história com personagens demais) e percebi que todas tem motivos plausíveis e que de alguma forma tem a ver com a continuidade da história. Como um casal que teve um péssimo termino e precisa retomar esse momento. Acho que fui mais me certificar, tentar saber se estava colocando tudo de forma a ser realmente uma briga. Confesso que já li e já escrevi brigas ridículas do tipo que nem nos mais remotos sonhos as pessoas tem. Gosto de brigas verbais porque, ao contrário das lutas, você consegue colocar tudo que está entalado, a personagem precisa dizer o que está sentindo, é o momento em que ela expressa tudo o que sente da forma mais sincera possível, brigas fazem isso. E sobre essa mudança de personalidade acho que dependendo do fato existe um conflito. Eu tenho uma personagem que é animada e legal com todo mundo, quando uma pessoa que a feriu física e emocionalmente volta e a discussão deles mostra um pouco mais sobre ela, ela mostra toda a raiva e frustração que sente nisso. Porque como citou existem personagens que podem mudar durante uma briga, mas porque simplesmente estão em outro período de suas vidas ou porque com aquela pessoa eles saem do sério ou até mesmo porque fingem que não estão nem ai... Acho que pode existir sim uma uma outra mudança para a personalidade, algo mais pessoal por causa das brigas. Adorei o post!

    Beijoos!+

    ResponderExcluir

O blog da Liga é um espaço para ajudar os escritores iniciantes a colocarem suas ideias no papel da melhor maneira possível.



As imagens que servem de ilustração para o posts do blog foram encontradas mediante pesquisa no google.com e não visamos nenhum fim comercial com suas respectivas veiculações. Ainda assim, se estamos usando indevidamente uma imagem sua, envie-nos um e-mail que a retiraremos no mesmo instante. Feito com ♥ Lariz Santana