Como criar um mundo em (talvez mais que) seis dias (2/3)

terça-feira, 14 de outubro de 2014

Por: M L Carneiro

Ahoy! Cá estou de volta para continuar a série sobre criação de mundos. Na primeira parte vimos algumas coisas básicas para se preparar para essa construção, hoje, vamos partir para áreas mais palpáveis. Continuem comigo nessa jornada que logo seu mundo estará de pé!
Ah, e para quem ainda não leu a primeira parte deste post, sugiro que a leiam aqui: http://www.ligadosbetas.blogspot.com.br/2014/07/como-criar-um-mundo-em-talvez-mais-de.html

Terceiro dia – Esculpindo

ou “Como vai ser a geografia do meu mundo?”
Na minha opinião, fazer o mapa de um mundo que você está criando é uma das partes mais divertidas. Você não precisa ser um mestre do desenho, os seus rabiscos já ficam incríveis quando você vai criando ilhas, continentes, penínsulas... Mas para criar esse mapa é legal que você tenha definido alguns pontos sobre a geografia do seu mundo, e é disso que vamos tratar neste dia.
Qual o tamanho do seu mundo?
No post anterior já falamos um pouco disso, no sentido do tamanho do universo que você quer criar. Mas agora vamos pensar no tamanho literal mesmo. Vai ser um planeta inteiro do tamanho da Terra ou apenas um continente pequeno e isolado? Tente pensar no que você quer para a sua história e o quanto o tamanho do mundo vai influenciá-la. Fazer um mundo gigante é bem legal, mas lembre-se de que quanto maior o mundo, mais tempo você levará detalhando-o, então tente pensar em algo razoável para as suas necessidades.
Esse mundo segue as mesmas leis que o nosso?
Aqui eu digo das leis físicas, químicas e biológicas. Se sua história vai ter um tema mais verossímil, é bom que ela siga todas as leis da natureza que temos aqui, ou que pelo menos você descreva bem como vão ser as novas leis. Mas numa história mais fantasiosa ou utópica, você pode ter coisas como gravidades invertidas ou oscilantes, inércia inexistente, som no espaço, enfim, você vai ter bastante liberdade criativa. Entretanto, tenha em mente se o mundo segue ou não as mesmas regras da Terra e, se não, quais são as leis dele.
Outro detalhe a se pensar é em como o tempo funciona no seu cenário. Quantas horas um dia possui? Quantos dias existem em um ano? Os dias e noites funcionam como na Terra, equilibrados, ou há mais tempo de um deles? Como funcionam as estações? Existem outras divisões temporais, como meses e semanas? São vários detalhes que vão enriquecendo seu mundo.
O quanto do mundo já é explorado?
Se seu mundo for situado com uma tecnologia futurística ou ao menos próxima da atual, muito provavelmente todo ele já vai ter sido explorado, ou ao menos cartografado. Mas até poucas centenas de anos atrás a própria Terra não estava totalmente no mapa. Então, se seu cenário segue um tema semelhante à época das grandes navegações ou anterior a isso, é bem provável que existam grandes pedaços de terra inexplorados no planeta que você está criando. Isso normalmente ocorre quando temos continentes separados por pedaços muito grandes de mar, quando os continentes são grandes demais em alguma direção, ou ainda quando um pedaço dele chega a uma parte muito gelada ou muito quente do planeta, e então ninguém consegue passar e povoar além dali.
Com isso em mente, defina qual é a parte “principal” de seu mundo, onde estão as principais civilizações, onde sua história vai se passar. Em seguida, defina onde serão os limites daquele pedaço do planeta, levando em conta o quanto a tecnologia dele o deixaria ser explorado. Em cenários futuristas os limites serão para além dos planetas, serão até a parte da galáxia em que se é possível chegar. Por fim, pense um pouco nas partes inexploradas. Você não precisará detalhá-las ao máximo, mas seria interessante ao menos pensar no quê e em que povos existem nesses lugares.
Quais são os principais pontos geográficos?
Todo planeta possuí acidentes geográficos característicos e interessantes. Alguma cordilheira gigantesca que percorre toda a costa de um continente, uma ilha-continente isolada ao sul do planeta, uma península pontiaguda e comprida onde é possível encontrar grandes quantidades de pedras preciosas, enfim, deixe sua criatividade fluir. Muitas pessoas se limitam a criar cidades e construções interessantes, mas lembre-se de que a natureza estava no seu mundo muito antes das civilizações chegarem, e que em muitos momentos ela é extremamente mais interessante, complexa e bonita.
Como é o clima e a vegetação do planeta?
Você pode achar que não, mas esses dois pontos também definem muito as interações entre os povos do planeta. Um planeta muito frio ou muito quente vai impor grandes dificuldades de desenvolvimento para sua população. Ao mesmo tempo, a vegetação (ou a falta dela) de um lugar pode auxiliar ou prejudicar as raças que vivem ali. Então gaste algum tempinho pensando em como são esses pontos nos vários cantos de seu mundo. Se ele for extenso, muito provavelmente terá diversos climas e vegetações, então aqui também vale a regra máxima da verossimilhança: se você quer deixar seu cenário muito próximo do real, pesquise bastante sobre como funciona na Terra, que vegetações existem em cada clima, que tipo de terreno existe de acordo com a vegetação e o clima, e depois disso, replique essas regras na sua criação.

Quarto dia – Povoando

ou “A demografia de seu mundo”
Pronto, já conseguimos moldar como vai ser o nosso mundo. Mas de que adianta um lugar onde ninguém vive? Agora é a hora de povoar esse planeta! Para começar, vamos ver quais são os povos, ou raças, que existem.
Quais são as raças existentes neste mundo?
Percebam que estou falando de raças, não de etnias. Estamos falando da raça humana, da raça élfica, raça anã, e assim por diante. Se seu mundo é fantasioso, você provavelmente vai querer colocar essas e algumas outras raças místicas nele. Então agora é a hora de pensar em quais e em como serão elas. Você pode, e deve, se inspirar em outras obras para tirar as raças fantasiosas mais comuns, como elfos, anãos, gnomos, orcs, fadas, entre outros. Com elas você terá bastante material de inspiração e consulta pronto, facilitando bastante seu trabalho.
Mas não se limite a isso, você pode alterar substancialmente as características dessas raças ‘tolkienianas’, adaptando-as às suas necessidades, como você também pode criar raças totalmente novas e diferentes. Isso acontece muito em histórias futurísticas, com diversos planetas a serem a explorados na galáxia, mas também não há problema algum em você inovar nas raças de histórias medievais. Só é preciso cuidado e dedicação para criar uma nova raça. Para isso, colocarei aqui um miniguia para auxiliá-los na criação dessas novas raças:
  • Tome como comparação o humano. É com essa raça que estamos mais acostumados, afinal somos dela, então todas as características da nova raça serão mais bem entendidas quando comparadas às dos humanos.
  • Equilibre bem as vantagens e desvantagens que essa raça tem. Se você fizer um povo que é apenas mais forte e mais inteligente, sem nenhuma desvantagem, vai desequilibrar a balança e deixar espaço para que as outras raças sejam subjugadas e pereçam. É só olhar para a Terra, você conhece algum Neandertal hoje? Não, porque o Homo Sapiens era mais evoluído e “venceu” na dominação do planeta.
  • Como é a aparência física desse novo povo? São humanoides, ou seja, muito parecidos com o homem, apenas com alguns detalhes diferentes? Ou são bem distantes? Faça o “design” da sua raça, essa pode ser uma das partes mais divertidas, especialmente se você for criativo e um bom desenhista.
  • Defina como são as características mentais dessa nova raça, ou seja, qual é o comportamento comum dela, como é a personalidade de integrantes dela, quais são suas ambições e desejos no mundo, etc.
  • Como é a organização política dessa raça? É uniforme ou possui diferenças em diversas regiões? Lembre-se do que falei no post anterior, é legal você definir muito bem como é a organização política de cada povo, mas elas não precisam ser sempre as mesmas.



Existem raças dominantes? Raças em guerra?
Isso também é algo muito comum, apesar de tentarmos equilibrá-las, sempre terá alguma raça que possui algumas vantagens em certa região e por isso dominam aquele local. A região pode ser desde um pequeno condado até o planeta inteiro, e por isso essa raça pode entrar em conflito com outras raças, algo que é extremamente comum. Se entre nós, humanos, temos guerras entre etnias diferentes, imagine como seria a interação entre raças diferentes. Não é algo que pareça ser simples. Se existe alguma guerra entre raças, explique o porquê, pense de onde essa guerra surgiu, quem está ganhando, quais são os aliados de cada lado e o quanto essa guerra pode afetar o desenvolvimento do planeta, e também da sua história.
Quais são as raças “civilizadas” e as “bárbaras” ou “monstruosas”?
Aqui podemos entrar em um maniqueísmo entre o bem e o mal. Sabemos que dentro de uma própria raça vão existir indivíduos bondosos e maldosos, mas cada raça normalmente possui sua tendência média. Algumas serão as raças “do bem”, como normalmente são os homens, anãos e elfos, e outros serão “do mal”, como orcs, goblins e dragões. Fazer essa divisão pode ajudar muito na criação do desenrolar da história. É onde normalmente dividimos as raças civilizadas dos “monstros”.
Dentro de cada raça existem muitas divisões?
Reinos, países, casas, famílias... Mesmo dentro da mesma raça os povos costumam se dividir, confiam em se agrupar para se proteger. Então pense em quais são esses tipos de divisão, relacionando-os com a sua organização política. Detalhar isso ajudará você a entender como as raças vão se relacionar entre si e com o mundo exterior.
Existem idiomas diferentes nesse mundo?
A menos que seja um mundo bem pequeno, é bem provável que existam vários idiomas nele. Normalmente temos um tipo de linguagem para cada raça, e às vezes mais de uma língua dentro de cada uma delas. Outra coisa normal é termos o idioma “comum”, ou seja, aquele que a maior parte do planeta sabe, e que é utilizado entre os diferentes povos.
Então pense em como você quer que seja a distribuição de linguagens no seu mundo e decida também se você quer deixá-las explícitas ou implícitas, isto é, se você quer realmente criar outros idiomas, ou deixar implícito que os povos estão falando em outra língua, mas sem ter que detalhá-la. Tome cuidado aqui, apesar de que criar um novo idioma pode ser bem interessante, dá um trabalhão, principalmente para deixá-lo bem feito.
Que outros tipos de criaturas extraordinárias existem no mundo?
Ok, já falamos das raças inteligentes, mas um mundo não é feito só delas, não é mesmo? Existem diversos outros tipos de animais para povoar o mundo. Então você pode pensar em que tipo de animais, além dos já encontrados na Terra, existem no seu planeta. Monstros, bestas mitológicas, humanoides não muito inteligentes... Vale pensar em tudo aqui. Buscar inspiração em outras obras é uma ótima dica, mas tente inovar também e criar algo novo, da sua cabeça, tenha certeza de que vai ficar bom!
---------------xXx---------------
Ufa, lá se foram mais dois dias de criação, já estamos chegando ao fim. Os próximos dois e últimos dias serão “Explicando” e “Detalhando”, onde vamos falar dos últimos detalhes da criação. Mas uma coisa que queria lembrar aqui é que vocês não precisam seguir esses posts como um guia de passo-a-passo, durante a criação tudo fica misturado. Você pensa em como vai ser o tamanho do planeta, depois numa raça que vai existir, depois no clima em que essa raça vive... Enfim, coloco aqui tudo que eu vejo de principal para você detalhar em seu mundo numa ordem agrupada, mas a ordem de criação para seu mundo é você quem faz!
Espero que tenha sido útil e que vocês tenham gostado. Lembrem-se, qualquer dúvida podem falar nos comentários.
Até a próxima! Cheers!


8 comentários:

  1. Aê, finalmente! A segunda parte do melhor manual enfim no site.
    Realmente, quando segui as dicas da primeira parte eu já tava pensando nas raças e na geografia dos lugares.
    Mal vejo a hora da parte três estrear.

    ResponderExcluir
  2. Parabéns, M L, você é um ótimo instrutor. Está me ajudando (e dando-me ideias) demais em construir um mundo, o que eu sempre tive dificuldade por possuir detalhes minuciosos. Parabéns, mesmo. E Obrigado.
    P.S.: Esperando a terceira parte.

    ResponderExcluir
  3. Amei! Por favor poste logo a ultima parte!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A última parte ainda não tem data marcada, mas fica atento/a ;)

      Excluir
  4. Respostas
    1. Oi! Que eu saiba, ainda não há data prevista para a publicação da próxima parte. Desculpa não poder ajudar :/

      Excluir
  5. Quando chega a terceira parte? Descobri os posts agora e queria muito o último. Amei esse e o anterior

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Infelizmente, não te posso dar uma previsão. Tudo depende do autor :/

      Excluir

O blog da Liga é um espaço para ajudar os escritores iniciantes a colocarem suas ideias no papel da melhor maneira possível.



As imagens que servem de ilustração para o posts do blog foram encontradas mediante pesquisa no google.com e não visamos nenhum fim comercial com suas respectivas veiculações. Ainda assim, se estamos usando indevidamente uma imagem sua, envie-nos um e-mail que a retiraremos no mesmo instante. Feito com ♥ Lariz Santana