Clichês em histórias Yaoi

Por: Anne L -  beta reader e moderadora do Nyah! Fanfiction  Perfil Nyah:  http://fanfiction.com.br/u/3775/ ) É bom começar d...


Por: Anne L -  beta reader e moderadora do Nyah! Fanfiction 



É bom começar dizendo que nem sempre um clichê é algo ruim, repreensível e que você nunca deve colocar um na sua história. São infinitas as situações em que os clichês podem ser úteis e até encaixar perfeitamente no texto, em especial se o autor souber usar. Mas esse post é focado nos clichês presentes nos yaois.

Yaoi, para quem não sabe, é uma palavra em japonês que se refere a histórias, animes, fanarts, etc, com conteúdo homossexual (homem/homem). É equivalente a boy’s love (BL), termo que também classifica histórias do gênero, e slash, termo mais usado em fics estrangeiras. Um gênero muito popular entre o mundo das fanfictions e mesmo entre escritores publicados, talvez também por conta disso, é alvo da criação de toda uma variedade de clichês.

Além dos que eu mesma cansei de encontrar, alguns escritores e leitores citaram alguns que eles observam nas histórias por aí.

  • Seme homem, uke mulher – para quem não sabe, seme é o termo referente em japonês ao ativo na relação. Uke, por sua vez, é o passivo.


Embora obviamente ambos sejam homens na história, muitos escritores têm uma tendência a fazer essa associação. O seme é o machão, aquele que nunca chora, que é grosso, que não demonstra seus sentimentos. E, é claro, o ativo durante o ato sexual. Já o uke é emotivo, doce, muitas vezes tímido; é aquele que cora, que chora, que suspira apaixonadamente. 

Acredito que isso aconteça, entre outras coisas, pelo motivo original da difusão do gênero no Japão. As mulheres de lá, reprimidas, vivendo numa sociedade bastante machista, acabaram vendo no yaoi uma forma de narrar histórias de amor, românticas de um modo geral, mas nas quais ambas as partes se tratassem de igual para igual. Isso explica por que os ukes nos mangás quase sempre possuem traços femininos físicos e de personalidade. No entanto, apesar de ser menor, mais delicado e sensível que o seme, na relação está numa posição de poder equivalente à dele, não abaixo. 

Contudo, apesar da justificativa louvável dessa representação, ela raramente reflete uma situação real na história, seja em mangás ou fanfics. Vira uma relação quase heterossexual, na qual o uke é, com o perdão da palavra, uma mulher com um pênis.

  • “Ele beijou seu peito branco e lisinho...” – homens totalmente sem pelos. Quem nunca viu um, não é? Acho que essa é mais por conta de uma idealização que as pessoas têm especialmente com o uke, já que “ele é a mulher”. Peito liso, barriga lisa, vi até histórias em que eles não têm pelos nas pernas. Gente, que isso! Essa é questão de bom senso. Homens têm muito cabelo, inclusive em lugares que eu prefiro não comentar. “Mas, Anne, o Fulaninho da minha fic depila!”. Aí tudo bem, aceito, mas duvido muito que todos os caras de todas as histórias yaoi depilem. Francamente.
  • Fulano é seme, Ciclano é uke – e isso nunca muda. A maioria das histórias tem isso como verdade, até por causa do item 1, e aí as atitudes, falas, tudo do personagem fica condicionado a isso. O seme nunca pode chorar, porque isso não é do feitio dele, tem sempre que se mostrar forte, duro, coisas que o uke não pode ser. O nome do casal muitas vezes é definido com base nisso, vindo o nome do seme primeiro e, mesmo durante o lemon, essa “hierarquia” se mantém inalterada. Tem gente que até repudia autor que troca as posições do casal, porque isso é errado, porque é estranho, porque é inimaginável ver Ciclano como seme... Gente, sério. Nem vou comentar sobre um relacionamento gay real, que não funciona bem assim, porque o foco é mais nas histórias. Mas a verdade é que rola até um preconceito de leve nesse clichê. O cara que é a “mulher” está privado, a partir daí, ser o “homem” e fim de papo.
  • O menor o olhou quando o maior fez que sim” – esse acontece em fics em geral, mas é mais frequente em histórias yaoi (acredito também que a ideia tenha sido disseminada a partir delas). Ninguém precisa fazer toda e cada frase citando os nomes dos personagens quando for se referir a eles, mas muitos autores criam tantos nomes alternativos que acabam substituindo os nomes reais com eles e a história fica confusa.


“O menor não gostava de ver o mais daquele jeito”

“O loiro avistou o moreno ao longe e acenou”

“O de olho azul piscou e o de tranças riu”


Não dá para imaginar decentemente a história assim, sério. Ainda mais se for num lemon. Esses adjetivos complicam, não ficam visualmente bonitos e não são muito explicativos. E se a pessoa não conhecer bem o fandom para saber que personagem é menor que o outro? Ela fica sem entender nada da história. 

E nem vou comentar o fato de “o menor” sempre ser o uke e “o maior” o seme, porque aí voltamos outra vez ao item 1.

  • Todo mundo é gay – em boa parte dos yaoi, por algum motivo, todo mundo é gay. O uke é gay, o seme é gay (óbvio), o amigo do uke é gay, o primo do seme é gay, o cara da padaria onde eles foram comprar pão é gay. Não vejo sentido nenhum nessa. Sua fic pode ser num internato, num hotel, num hospital, mas não existe nenhuma pessoa heterossexual, bissexual que seja? Bom senso, bom senso. E isso já é tão intenso entre as fanfics yaoi que, às vezes, quando aparece um personagem masculino novo na história, os leitores já assumem que ele é gay. Ou tem que ser. Precisa ser! E se o seme ou uke tem um irmão? Incesto já!
  • Cadê as mulheres normais? – fora o fato de praticamente não existirem – porque, além de todo mundo ser gay, mulheres em fics yaois são banidas da face da Terra –, as personagens femininas da história se encaixam em três categorias: a fujoshi, a lésbica e a vadia-que-vai-atrapalhar-o-yaoi-e-todo-mundo-vai-odiar. Acho bem irreal, já partindo da primeira. Nada contra fujoshis (acho que eu sou uma e não posso fazer nada pra mudar isso), mas tem sempre aquela personagem que vê os amiguinhos se pegando no yaoi e pira. Sai gritando, falando coisas inapropriadas, fazendo apologia em fics... Ou então a menina é lésbica. Porque é uma consequência, o cara é gay, a amiga dele tem que ser lésbica. Só assim para a personagem entender as coisas, só assim para ela aceitar.

E, por último, tem a personagem feminina que só está lá para causar na história e fazer todos os leitores a odiarem até o fim dos tempos porque ela “atrapalha o yaoi”. Às vezes ela nem atrapalha, mas só o fato de ter uma garota na história e não um cara (gay) é motivo suficiente pra ela ter o ódio eterno e declarado de todo mundo. E 95% dos leitores/escritores de yaoi é mulher! Lógica, onde está você?

  • Que falta de preconceito! – ainda no meio da realidade alternativa em que se passa a maioria das fics yaoi, é muito comum se deparar com esse item. O casal fica junto, se pega na rua, entre amigos, num jantar de família, e todos estão okay com isso. Claro que seria lindo se as coisas fossem assim de verdade, mas é uma ideia tão utópica que chega a ser desconcertante.

Nem todo mundo aceita homossexualidade. É um tema polêmico, como religião, política, e deve ser tratado como tal. Sua história pode não focar nisso, não chegar nem perto, mas daí se inserir num universo cor de rosa em que ninguém tem preconceitos... É quase como o item 5, no qual todo mundo é gay. 

E quando tem incesto? Um mundo que aprove homossexualidade cem por cento é aceitável perto de um que aprova inteiramente incesto. Quer dizer, chega a ser crime em alguns países! Por que fazer isso com a sua história?! O conflito pode deixá-la mais interessante, mais densa, mais atraente de um modo geral. E uma dose de realidade não faz mal a texto algum. 

Existem outros clichês (infinitos deles...), mas esses foram o que eu considerei piores. Repito que não tem problema usá-los em seus textos, quem lê mangás publicados mesmo ou assiste a animes com certeza já presenciou os sete ao menos uma vez. A questão é, como quase tudo na escrita, saber dosar esse uso.

***


Quem ajudou: Jean Claude, Lady Salieri, Leo Alves, Ana C., Diandra Santiago, Natália Marretti, Kaline Bogard, Nyuu D, Dayane Manfrere, Mylanessa.


Artigos relacionados

30 comentários

  1. O do todo mundo ser gay é um clichê que sempre me incomodou profundamente o_o' (Aliás, isso é tão constante que chega a ser engraçado em uma cena de Gravitation, em que até o próprio protagonista não consegue acreditar que o melhor amigo dele é, de fato, hétero! HUAHUAHUA)

    Tem algumas que são frequentes também, mas que, certas vezes, o ambiente da história não da "espaço". Por exemplo, a ausência de mulheres. As vezes a história foca num grupo de amigos e pá, aí a autora simplesmente esquece de inserir uma mulher no meio.

    O mundo sem preconceitos também é sucesso. Green Eyes é uma fic de Harry Potter MARAVILHOSA que focou muito em cima disso, e foi sucesso. Acho que o preconceito é o que dá mais "cor" a trama yaoi. (Mas, algumas vezes, também tem formas de abordá-lo que fica muito repetitiva em algumas histórias. As pessoas tem sempre a mesma reação...)

    Eu sou do tipo que coloca homens sem pelos nas histórias 8D HUAHUAHUA Mas tanto o uke quanto o seme. Não gosto de pelos, não consigo imaginar qualquer pessoa que seja lambendo um peito peludo!!! AHUAHUAHUHUHUA

    Quantos aos adjetivos... As vezes é complicado. Porque se você usar sempre os nomes próprios, fica desgastante até. Tem que dar uma variada, usar adjetivos, apelidos, qualquer coisa para que não fique sempre igual, dez vezes o mesmo nome no mesmo parágrafo. Claro que não pode ter cinquenta adjetivos diferentes pro mesmo indivíduo, porque aí o leitor se perde mesmo. Mas alguns, sempre é bom :3

    Enfim, belíssimo, belíssimo :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tem mangá que é assim também, cara ahuaha todo mundo gay, incrível. Gravitation é o pior exemplo de yaoi ever ahuauha tem todos os clichês possíveis e o traço é horrível u.u

      Não acho válido 'esquecer' de pôr mulher no meio, mesmo que foque num grupo de amigos. Mãe? Irmã? A moça da padaria? auhauha é tenso.

      Green Eeeeyes! Todo mundo conhece Green Eyes ahuaha Mas é verdade. Eu também acho que dá mais cor, a questão, como tudo, é saber abordar. É fácil de fica repetitivo mesmo...

      Eu também colocava, nem posso dizer nada. Eu era a rainha dos clichês. Acho que todo mundo já foi um dia, mas a gente vai melhorando. E aprendendoa trabalhar com eles. Acho que o problema não é o peito ser peludo, rs.

      Eu discordo. Eu usava muitos adjetivos e tal, mas tô parando. Nomes não ficam repetitivos tanto quanto a gente pensa e tem sempre um pronome que pode usar. É preferível também repetir o nome da pessoa que ficar usando adjetivo. Comecei a reparar isso em livros, até os com uma escrita duvidosa, tipo Twilight.

      Obrigada! E agradeço o comentário!

      Excluir
  2. Adorei! Simplesmente perfeito, mas o que eu mais gostei foi o "“Ele beijou seu peito branco e lisinho...” Sempre pensei nisso na hora de escrever fics kkk

    Parabéns pela postagem.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. No começo, eu nem pensava, mas daí você para pra refletir e vê que fica bem estranho mesmo os caras sempre lisinhos... Mas acho que é mais fácil de imaginar, haha.

      Agradeço o comentário!

      Excluir
  3. Eu já tentei criar uma lista dessas e o item principal é sempre um que está faltando ali. Já li várias e várias fics em que o uke tem algum trauma do passado relacionado a alguém que batia ou abusava dele, está tudo bem junto do seme, até que ele é sequestrado por seu fantasma do passado e sempre é salvo pelo seme sendo estuprado/espancado à beira da morte.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ahh, já vi histórias assim, mas não muitas, por isso nem coloquei na lista. Mas é tenso essas paradas de abuso. Eu acho pior (e é algo que acontece muito em yaoi e eu esqueci de colocar na lista) quando o seme por algum motivo abuso do uke, mas aí eles acabam se gostando. E tem sempre aquela coisa de, enquanto o seme tá abusando dele, ele ficar tipo gostando. Sem noção.

      Obrigada pelo comentário!

      Excluir
  4. Achei demais esse post!
    Essa coisa de que uke é só uke e seme é só seme cansa. Às vezes as pessoas me perguntam quem é quem na relação, e eu digo logo que o couple é flex.
    Também tive problemas em fazer um seme que chorava muito, chamavam ele de uke e tudo o mais. Antes incomodava um pouco, hoje nem tanto.
    Mas o que mais me persegue é o fato de ter mulheres nas minhas fics e elas se envolverem com algum personagem, afetivamente falando. Eu não tenho medo de colocar mulher em fic yaoi, e as vezes elas são bem aceitas e a shippam com algum personagem xD
    Acho que as pessoas têm que parar de ter medo de escrever coisas assim, e os leitores pararem de achar que o mundo é todo gay e não existe preconceitos. Porque unicórnios a gente só vê em fantasia xD

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah, eu concordo total. Sou mestre em trocar as posições dos couples e sempre vem um monte de leitor reclamar "mas Fulaninho é uke! Nem combina!" e combina sim ahuahuaa acabei chegando à conclusão de que tanto faz, dependendo da situação, do humor dos personagens, do autor uhaaahua, quem é seme e quem é uke é relativo.

      Pois é, fica difícil assim, não dá pra colocar uma característica "feminina" que seja no cara que todo mundo vem "é o uke" ou então reclama que o cara é seme e nunca faria aquilo, o que não tem o menor sentido.

      Colocar mulher no meio do yaoi propositalmente é sempre dramático auhaha ainda não vi isso acontecendo e o pessoal ficar do lado da mulher ou pelo menos não encher a personagem de ofensas. Difícil mesmo. O que eu acho pior é que a maioria que lê/escreve yaoi é mulher, aí acaba que essa atitude nem faz sentido.

      Sem unicórnios. Hahuahuaha

      Obrigada pelo comentário!

      Excluir
    2. Já assistiu No.6? Cara, eu não shippava a menina com o Shion, mas eu acho que sou a única que gostava dela! Huhasuhahusa!

      Excluir
  5. Primeiro, tirei boas risadas enquanto lia o post, que, diga-se de passagem, ficou muitíssimo interessante. Lembrei-me de muitas histórias que já li e de qual se encaixava aqui ou acolá dentro desses clichês. Mas, como você mesma acrescentou e fez questão de enfatizar, nem todo clichê é ruim, isto é, quando usado com atenção e cuidado.

    No mais, só abriria um parentese quanto às fics yaois cujos personagens são todos gays, ou a maioria. Tudo bem que foge da realidade, obviamente, mas nos façamos a seguinte pergunta: Nos incomodaria, de igual maneira, se a história fosse heterossexual e todos os personagens (ou a maioria) também o fossem? Provavelmente, sejamos sinceros, não! Então, por que não aceitar que não soa tão estranho assim haver uma história que aborde um círculo de pessoas que seja exclusivamente homossexual? Já vi e tenho convivência, por exemplo, com muitos, de modo que, às vezes, não tem uma alma hetero no recinto para se salvar, haha! (nota: também sou)

    Enfim, acho que é uma questão a ser refletida com delicadeza. Sem dizer que é uma obra ficcional, então, nada impede que a homossexualidade seja vista da mesma forma que a heterossexualidade. Como eu dizia, a minha intenção era apenas fazer uma pequena observação. Parabéns pela postagem!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá!
      Bom, aí você fez soar como se fosse uma questão de preconceito, por mais leve que fosse. O problema em ter uma história com todos os personagens homossexuais não é que eles são homossexuais simplesmente. É que isso não reflete tão bem a realidade. Não tem nada a ver com o que alguém acharia aceitável/estranho ou não.
      Boa parte das histórias que eu já vi em que todo mundo é gay se passam em escolas, por exemplo. Você acredita mesmo que numa escola, só de garotos ou não, não haveria nenhuma pessoa heterossexual? De novo, deixando de lado preconceitos e afins, fato é que a parcela da população homossexual ainda é menor que a heterossexual. É só isso que deixa a história do exemplo inverossímel. Seria algo na linha de eu escrever uma fic que se passa na Alemanha e em que todos os personagens, não importando de onde vêm, são orientais. Entende o problema?

      Excluir
    2. Eu compreendi seu ponto de vista e concordo plenamente, tanto que, meu comentário, de fato, soou como se estivesse mais relacionado a um possível preconceito do que às questões de enredo. Só para constar, não foi meu objetivo.

      Resumindo, acho que a minha colocação era no sentido de dizer que não vejo problema, tampouco acho que foge da realidade, a opção do autor de trabalhar com um núcleo predominantemente gay, uma vez que a sua intenção seja manter o foco sobre este grupo de pessoas, não fazendo questão de "lembrar-se" dos heteros. Portanto, que seja feito de caso pensado, e não como uma alusão a um mundo dominantemente gay, onde os heteros foram dizimados ou encontram-se em extinção, haha! ;)

      Contudo, entendo que, ainda assim, seria difícil elaborar de forma coesa algo do tipo, já que a população gay é minúscula se comparada à hetero (ou é o que os dados do IBGE apontam) e, com isso, seja impossível não haver relato algum de personagens não gays na história. Enfim... obrigado pelo esclarecimento.

      Excluir
  6. Essas coisas acontecem muito porque eu vejo que as pessoas criam seus mundinhos e quando passa da barreira mágica, é tudo como ela sonhou ou acha que é, erroneamente. Uma parte que escreve essas histórias sequer sabe como o corpo masculino funciona '-' gente por favor, usem lubrificante, sem ele a coisa fica muito... muito difícil KKK
    Eles separam o hetero, Yuri e Yaoi porque parece que não pode se relacionar. E ainda mais, quem curte um acha o outro nojento. Já vi tantas pessoas falarem isso que eu perco a vontade de ler. Por isso as mulheres são banidas das fics Yaoi.
    Meus leitores, sempre xingam as personagens mulheres, mas elas continuam lá.
    Seria lindo o mundo narrado como nas histórias, claro que é só ficção, e o autor tem todo o direito que deseja em fazer da narração sua ideia perfeita de vida. Mas falta de noção tem limite KKK
    Sabe o pior? São os leitores que incentivam falando que ta TUDO PERFEITO CONTINUA PLS

    ResponderExcluir
  7. Você leu mina mente. Há tempos venho refletindo sobre um dos tópicos. "Todo mundo é gay". Que coisa interessante! Já li uma fanfiction onde o Harry era gay, o Snape era gay e namorava secretamente o Harry, o Rony era gay, o pobre vendedor da Dedosdemel era gay! Céus, cadê a lógica? Héteros, vocês estão aí? -_-

    ResponderExcluir
  8. Incesto é vida!, apesar de não ter ajudado"muito" na fanfic que estou escrevendo (original) normalmente fanfics originais são mais complicadas de escrever, pois diferentes de fics de anime, onde já sabemos os gostos, os hábitos e etc dos personagens, na fic original temos que inventar e nunca esquecer xD

    Sério, eu já li uma fic em que uma hora fulano era seme outra uke, muito doido, não é atoa que tava cheio de comentários ruins e,e

    Em fim, eu não sigo essas regras de só a 3 tipos de garotas na fanfic yaoi, e....Eu vejo mais em fics:
    -Ele lambeu um de seus mamilos roçados enquanto fazia movimentos circulares com o outro (~what '-')~

    Eles apelam mais pro lemon xD

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ué, mas às vezes o casal gosta de variar. Não é impossível.

      Excluir
  9. Angelique Yukida Amamiya23 de abril de 2014 12:24:00 BRT

    Eu gostei da matéria, mesmo porque alguns clichês se repetem tanto que fica até meio chato, porém...
    Bem, tenho que dizer, algumas pessoas não gostam de pelos, nem em seme e nem em uke, eu por exemplo, escrevo fics de cavaleiros do zodíaco, e os meninos lá nem pelos tem, rsrs. Então, só sigo mesmo o que vejo no anime. Por outro lado, não dá pra esquecer que existem os meninos andróginos que além de se parecerem com meninas, eles tem mesmo pouco ou nenhum pelo, o que acontece é que eles são minoria, e as pessoas abusam um pouco da situação.
    A questão de todo mundo ser gay, é realmente fora da realidade, o preconceito existe e ponto. Geralmente uso um universo alternativo, mesmo assim nunca fiz casais gays se beijando no meio da rua. Mas, não vejo problemas em só existirem casais gays em fics yaoi. A série Queer as Folk, é sobre o universo gay e não tinha nenhum casal hétero, não que não existissem em um episódio ou outro, mas eles não eram o foco da história. Em histórias héteros também não existem casais gays, e mesmo sendo a minoria seria algo inviável, porque eles existem mesmo em menor quantidade. A questão é que naquele caso não se pretende ter enfoques em casais héteros e ponto, eles existem, só não queremos falar sobre eles. Sei que fica estranho o lance, o irmão é gay, o primo, o melhor amigo, o vizinho, mas aí a pessoa tem que ter bom senso né.
    Agora, quanto a ser seme e uke, isso é uma questão de cada um, tem gente que não aceita dar de jeito nenhum, e já vi várias pesquisas onde os gays na sua maioria preferem ser passivo. Isso vai de cada um, mas devemos lembrar que fics yaoi são ficção feitas para agradar mulheres em sua maioria, e mulheres são mais românticas, não pretendemos fazer como alguns rapazes que escrevem para sites gays, se você já leu sabe que o conteúdo é diferente do que temos nas fanfics.
    O que quero dizer, que concordo que existe certos exageros em clichês, e um que até li nos comentários acima do uke abusado estuprado, até mesmo por seu par na fic, é de doer. No entanto, acho que alguns nem são ruins como falta de pelos, ou o lance de uke e seme definidos, acho que existe gosto pra tudo. Isso é para ser divertido, se for pra levar tão a sério e julgar tanto algo certo ou errado,é melhor nem fazer.
    E pra terminar, quer ver o clichê maior e que ninguém se quer se incomoda. Cadê o personagem negro? Uke ou Seme! Ele sequer existe, em todas as fics, os personagens são brancos. Podem até ser japoneses, árabes, índios, mas negros jamais. Até hoje li 2 fics que 1 dos personagens principais eram negros. Isso, no nosso país mestiço de maioria negra, é bem pior do que certos clichês acima.
    Como eu disse, acho que sempre é bom ter bom senso, porém é só fanfic, é diversão, ninguém ganha nada em escrever, ou em ler, apenas o prazer da leitura e escrita. A vida já é cheia de regras, aqui era pra ser divertido, sem tanta critica, sem tanto julgamento.
    É só o que eu penso...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Adorei o comentário! Concordo com quase tudo, mas o clichê de tudo o mundo ser gay incomoda-me muito. Sou fã de yaoi, mas não consigo ler uma fic em que toda a gente que a história foca é gay, não consigo mesmo.

      De qualquer forma, obrigada pelo comentário <3

      Excluir
  10. Concordo com o texto inteiro, cara O.O
    Uma das piores coisas é ficarem estereotipando o passivo e o ativo. Pode até ter um que assuma a passividade com mais frequência ou nem ligue tanto pra isso, mas não acho que exista um menino na face da terra que aceite ser passivo pelo resto da vida; e não importa o quão gay ele seja!
    Ah, o texto ficou super divertido, parabéns <3

    ResponderExcluir
  11. Assim, sobre os estereótipos, concordo que não é legal generalizar. Até porque na vida real existem vários "tipos" de gays. Digo com domínio de causa, pois sou gay. Ao mesmo tempo, o que me incomoda é: qual o problema em ser gay afeminado? É como se isso fosse inaceitável, e como se o feminino tivesse menos valor. Alguns podem não saber, porém, dentre todos os "tipos" que existem na comunidade LGBT, os afeminados são os mais discriminados, inclusive pelos próprios homossexuais. Assim como as trans e travestis. E voltamos para a questão do macho, onipotente, onipresente, dominador. Isso é o que realmente me incomoda. Nem todos os gays afeminados são passivos, nem todos os gays másculos são ativos. E o mundo é bom por causa disso. E, apesar de poucos, existem caras que são super másculos e gostam de meninos mais afeminados e vice-versa. Existe uma infinidade de possibilidades. Creio eu que essa cultura de estereótipos que conhecemos do yaoi esteja intimamente relacionada ao tipo físico que é comum dos japoneses e orientais. Eu curto essa coisa mais fofa do yaoi, que todos conhecemos, só não curto esse papel super submisso do uke, acho muito machista. Entretanto, concordo que deveria haver mais animes/mangás como uma diversidade maior. Eu mesmo sou mais afeminado, magro, baixinho, passivo e curto caras mais fortes, altos, másculos, ativos, mais velhos, só que não sou submisso como as personagens dos yaois, até porque não me deito pra ninguém. kkkk E essa questão do todo mundo ser gay, acho meio bobo, mas vejo mais como foco em casais gays. O preconceito existe sim e existe muito na vida real. Eu mesmo já sofri e já vi pessoas próximas sofrerem, muitas vezes. Acho muito bacana quando colocam essa questão em pauta, por uma sensibilização do próximo mesmo. Por fim, apoio a diversidade nesse mundo de animes/mangás yaois que eu adoro e amo.

    P.s.: Somente minha opinião, não a vejo e nem a quero como verdade absoluta.

    Beijos! :*

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi! Percebo completamente o que disseste. Tanta coisa para fazer as pessoas aceitar a diferença e, mesmo assim, o preconceito ainda vem de onde não devia vir. Enfim.
      Beijos

      Excluir
  12. Mais um coisa... Atualmente, prefiro tirar o melhor de cada anime/mangá e me divertir assistindo ou lendo.

    ResponderExcluir
  13. Gostei do post. Realmente esses clichês são tão comuns que chegam a incomodar. Porém, acho que o fato de não haver preconceito em certas fanfics seria uma maneira legal de ligar o leitor à história, afinal, mesmo por se tratar de uma "fantasia" (por assim dizer), o preconceito deve ser ignorado (é isso que fazemos na maioria das vezes, ignoramos as coisas idiotas para que elas, aos poucos, desapareçam ou cheguem a um nivel quase inaudivel). E diso isso exatamente porquê é comum de minha parte narrar a história sem o drama da homofobia presente, aliás, acredito que deva existir histórias em que o foco é o preconceito. Não sei se é ignorancia da minha parte, mas retratar um cenário com a presença do preconceito é algo que, de certa forma, passa despercebido pelo leitor; ele lê sobre aquela "negatividade", e assim que uma cena vem a sobrepor isso de forma positiva (sem se relacionar com o momento de negatividade), a parte negativa é esquecida. Quando o tema "Preconceito" for o foco de uma história, ok. Mas quando não, tal tema deve ser posto de lado para abordar outros mais relevantes e de maior impacto. Afinal, este tema é comumento sobreposto por religiosidade (ou seja, o concilio entre a religião e a sexualidade, mesmo que envolva o preconceito isto ainda trata mais de "personalidade" e fé), Rotulos, Indentidade de Gênero, etc.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Percebo o teu ponto de vista!
      Obrigada pela contiubuição :D

      Excluir
  14. Olá. Poste muito legal. Gostei bastante e concordo com a maior parte dos clichês, só tem um que não concordo totalmente que fala sobre os pelos do corpo. Não sei quanto as fanfics, porque dependeria do contexto, mas até entendo a falta de pelos em mangás yaoi. Os japoneses tem em geral poucos pelos no corpo. Não são todos, logicamente. Algumas "raças" como os japoneses de okinawa são bem peludos, mas existem sim muitos que não possuem quase pelo. Nem mesmo nas pernas. Sei disso porque sou japonesa e vejo isso na minha própria família. Tenho primos que não tem pelo nas pernas e não é porque depilam e alguns tem pelos tão fininhos e ralos que quase nem da para ver. Obviamente eles também não conseguem deixar a barba crescer e essas coisas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada pela leitura e muita obrigada pela contribuição!

      Excluir
  15. Eu por ser gay acabo preferindo ler histórias que tenham personagens gays, porém me incomoda muito os clichês. As vezes eu queria muito que um personagem feminino ficasse com outro feminino e um masculino com um masculino, assim como eu também queria muito achar história onde o masculino é uke e o feminino é seme, eu acho que variar essas coisas, talvez dentro de uma mesma história (Por exemplo... Colocar 3 casais, cada um diferente do outro) é interessante e é muito bom...

    Sobre os adjetivos: Eu não me importo quando tem, mas como eu leio historias mais normais, eu fico me sentindo em um mundo paralelo com os adjetivos kkk

    Sobre todos serem gays: Eu não acho isso certo!! Eu escrevo historias com as minhas amigas e sempre os personagens são gays, nunca tem aquele preconceito (Que eu amoooo colocar nas minhas histórias pq isso aproxima o casal gay de uma forma além do amor, mas tbm dá luta contra pessoas idiotas), e eu acho legal as vezes tbm colocar um hetero confuso ou um hetero macho que é amigo dos gays, eu acho super legal fazer isso kkk.

    Sobre não ter mulher: Esse clichê infelizmente eu uso e não sei parar de usar. Não que eu não queira colocar mulheres em minhas histórias, mas sempre que eu coloco eu não sei lidar, eu deixo ela de canto, ela não tem utilidade no meio (Nas minhas histórias, não estou dizendo que mulheres são inúteis... Eu é que não consigo dar vida a elas). Eu queria poder colocar mais mulheres e eu sempre que tento colocar eu coloco um mulher hetero super feminina mas que não é fujoshi (ela apoia, mas não é a louca dos couple gays), na verdade ela é quase a que menos fica com homens e é amiga dos gays.

    ResponderExcluir

O blog da Liga é um espaço para ajudar os escritores iniciantes a colocarem suas ideias no papel da melhor maneira possível.