Enredo x Shipping

Por: Anne L É sempre necessário centrar a história em um romance para que ela seja boa? A maioria dos escritores de fanficti...


Por: Anne L


É sempre necessário centrar a história em um romance para que ela seja boa?



A maioria dos escritores de fanfiction diria que “sim! É sempre necessário”. Muito embora boa parte das histórias postadas por aí girem em torno de um casal (ou vários), eu temo em discordar. Primeiro, vamos ver algumas definições.

O enredo (chamado às vezes também de “plot”) é o conteúdo da história, uma sequência de fatos e ações feitas ou sofridas pelos personagens. É ele que faz a história caminhar, desenvolvendo-se para alcançar o clímax e, então, seu desfecho.  
Shipping, termo em inglês muito usado em fanfics, vem de “relationship”, relacionamento, e se refere a uma relação amorosa entre duas pessoas. 

A princípio, eles não têm uma relação direta. Então, por que tantos autores escrevem como se um completasse o outro, como se fossem mutuamente excludentes?

Acredito que seja o puro e simples desejo de fazer seus personagens favoritos “se pegarem”. A história em si, o enredo, acaba deslocado para se tornar um mero pano de fundo para o romance explorado pelo autor, especialmente se envolver sexo. O casal se conhece, interage e nada mais acontece, às vezes como se nem houvesse um mundo ao redor deles. Outro motivo seria um medo de que os leitores não mostrem tanto interesse no texto, se a pitada (uma concha cheia, na verdade) de romance não estiver no meio. Mas tudo isso que mencionei não é pré-requisito para uma boa história.

Podemos pegar um exemplo real para ilustrar, como a famosa trilogia “O Senhor dos Anéis”. É uma narrativa épica sobre um grupo que se une e, com o intuito de destruir o Um Anel, fonte de poder do vilão principal, viaja pela fictícia Terra Média, encontrando todo tipo de adversidades e aventuras. O romance está presente, pode-se evidenciá-lo, por exemplo, com Arwen e Aragorn, mas, em meio a guerras e conflitos, ele nem de longe é o foco da história. 

E desenvolver um enredo sem apelar para o romance não é tão difícil. A primeira coisa a se fazer seria estabelecer os pontos principais dele, saber como andaria a história. Voltando à definição, temos algumas partes a serem decididas:


1. Introdução – Como o nome sugere, é a introdução da história, seu começo, parte em que você apresenta seus personagens, a história, as relações entre as pessoas, o espaço em que tudo está ambientado; 
2. Desenvolvimento – Aqui começam a aparecer e tomar forma os conflitos, o corpo da história, o enredo em si é apresentado, desenvolvendo-se até convergir em seu clímax. É nessa parte que a maioria das fics que foca no romance desanda ou acaba se rendendo a clichês. E tudo por falta de planejamento, de uma análise mais extensa na sequência de acontecimentos escolhidos para formar o enredo e em como eles se relacionam, se entrelaçam;
3. Clímax – É para onde toda a história caminha, seu auge. É o motivo pelo qual todo o desenvolvimento existe, pois resulta nele. E aqui muitas vezes ocorre o mesmo que no item anterior, apenas por falta de planejamento e análise;
4. Desfecho – marca o fim da história. Tem a resolução dos conflitos, o desenlace do clímax e tudo volta ao equilíbrio fazendo um contraponto com a situação inicial.


Com isso em mente, é perfeitamente possível escrever uma história sem precisar recorrer ao romance para que ela fique interessante. 

Não me entendam mal, não repudio textos desse tipo, inclusive um dos meus livros preferidos tem seu enredo, em poucas palavras, em volta da personagem e seus encontros e desencontros com um homem que inicialmente ela odeia (Orgulho e Preconceito). O objetivo deste post é apenas ajudar as pessoas a pensarem além do romance, além do casal que querem tanto juntar e, assim, escrever histórias mais complexas, mais envolventes. 

***

Material consultado: 

Ricardo Sérgio. O Enredo na narrativa. Disponível em:


Anne L é beta reader, moderadora do Nyah! Fanfiction, supostamente escritora e estudante de Engenharia Mecatrônica. É louca por seriados, mangás, HQs e livros e gosta de manter coleções de tudo apesar de não ter lugar para guardar.

Artigos relacionados

10 comentários

  1. Gostei muito aqui do blog, dos betas em si, do modo como vocês estão tentando ajudar.
    Sempre que me apego a uma fic parece acontecer exatamente isso.
    Duas coisinhas: Você já leu Story, Robert McKee? Li vários livros sobre escrita de livros, mais incrivelmente, um sobre escrita de roteiros foi o que mais me auxiliou. É claro que nele tem tudo o que vocês postam aqui. Só citei por citar... Se souberem de um BOM livro - do tipo que é diferente e completo - poderiam fazer um post sobre ele? Hum, eu também queria ler Dialogue (Gloria Kempton). Vocês já leram? É bom?
    E como, por céus, você decidiu fazer Engenharia Mecatrônica? Tenho medo até do nome...

    ResponderExcluir
  2. As que eu leio também costumam ir por esse caminho.
    Não li não, mas, pelo jeito que você falou, parece bem interessante... Arrumar um tempinho pra ele.
    Sobre o Dialogue, eu (Anne) pelo menos não li. Depois da faculdade, fiquei com pouco tempo pros livros de histórias mesmo, daí...
    Mecatrônica é legal, só tem aquele problema de você não ter mais tempo pra viver e se matar de estudar pra se frustrar no final auhaha

    ResponderExcluir
  3. Adorei o artigo e concordo plenamente!
    Sempre passo direto por histórias onde é tudo voltado ao romance... Fica muito chato e muito meloso! Gosto de uma fanfic pela trama dela. Sem trama, sem qualidade.

    ResponderExcluir
  4. Sabe, tenho uma dúvida, Seria errado começar com o clímax? Por exemplo em uma fanfic de Romance, o Primeiro capítulo já começa como " Infelizmente não, não posso te aceitar " Isso seria uma fala de algum personagem que você escolheria. Essa fala é como se o tal personagem (Seja ele qual você escolheu) esta Rejeitando algo, assim você vai mostrando o resto da história que fulano rejeitou a cicrana. Bem, logo após isso, era como voltasse ao "Verdadeiro começo" onde mostra como se apaixonaram e tudo mais. Já no clímax, mostra tal rejeitando tal, e, como o desfecho, O fim positivo (ou negativo), mostrando como se acertaram, ou se for negativo, como acabaram.
    Fico pensando se isso é Errado fazendo uma Fanfic, alguém poderia me ajudar com tal questão?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Então, Luma, na literatura tudo pode. Não está errado de jeito nenhum começar a história como vc disse, ok? Fique totalmente à vontade para fazê-lo =3

      Isso que vc explicita é um recurso literário chamado "in media res". Você começa a história no meio, volta para o começo e depois caminha para o final. A Odisséia de Homero é escrita mais ou menos assim.

      Vai na fé e boa sorte com sua história =3

      o/

      Excluir
    2. Já li uma fanfic assim, e eu não entendo nada de livros (leio, mas minha paixão é fanfics.... vai entender xD) acho que tem vários jeitos de contar a história, se tiver algo acontecendo... Senão vira uma PWP -q

      Gostei do texto. Ultimamente eu estou pensando na história antes do ship, o que eu não fazia muito antes... Mas também estou vendo que muitas pessoas estão fazendo isso, e as ideias são bem loucas (adoro q) xD

      Excluir
  5. Nem sempre uma história deve ser centrada em um shipping para ser interessante. Vejam a majestosa narrativa de GTA V, não é centrada em relacionamentos no enredo do game.

    ResponderExcluir
  6. Amei o post!
    Bom, só eu que odeio que você começa a ter uma ideia, mas ela está "oculta", aí você tem que bolar tudo? Haha Tô enfrentando isso agora, estou com uma plena noção do que escrever numa fanfic, mas não sei a categoria, os personagens e nada T.T

    ResponderExcluir
  7. Nossa, concordo completamente. E por um simples motivo, histórias cujo plot é focado em romance não têm história depois que o casal fica junto. Em outras palavras, depois que se atingiu aquilo que todo mundo espera, o romance, ou o autor fica enrolando pra ter cenas dos dois juntos, ou ele tem que ficar inventando problema no relacionamento deles, e isso só serve pra deixar td mundo puto. Prefiro m vzs histórias que tem um plot separado, e o casal no meio, assim uma hora eles ficam juntos, e a história continua, com vc podendo ver cenas fofas (ou n) dos dois juntos, e ver o resto da história, sem ficar chato e podendo ser feliz. Isso é fundamental, os autores precisam aprender que romance não precisa, e vamos combinar que muitas vzs nem deve, ser todo o plot da história.

    ResponderExcluir

O blog da Liga é um espaço para ajudar os escritores iniciantes a colocarem suas ideias no papel da melhor maneira possível.