Resenha: A Luz de Cada Mundo

Por: SayakaHarume Perfil: https://fanfiction.com.br/u/35539/ Então, gente! Aqui venho em nome da Liga dos Betas apresentar uma re...



Por: SayakaHarume
Perfil: https://fanfiction.com.br/u/35539/

Então, gente! Aqui venho em nome da Liga dos Betas apresentar uma resenha sobre um livro nacional de um autor iniciante. Farei meu melhor para não apresentar spoilers e não estragar a surpresa de ninguém quando forem conferir essa obra.

Título: A Luz de Cada Mundo
Autor: Rennan Andrade
Editora: Autopublicação
Número de Páginas: 391
ISBN: -

Sinopse: O livro conta a história de Ryze Hope, um garoto de 16 anos sem muitas expectativas que logo descobre ser dono do dom da magia. No entanto, seus poderes só funcionam quando tem seu colar (que usa desde o nascimento) pendurado no pescoço, e também quando está junto a Chloe Lights, uma garota extremamente patricinha.
Juntos, eles vão atrás de seu passado e descobrem serem os escolhidos para continuar uma tradição que já dura séculos, e para isso eles precisarão viajar por mundos desconhecidos, matando os representantes do imperador da magia negra, Ronan, e restaurando a fé dos mundos, assim como dos seus representantes da luz.

Resenha: A Luz de Cada Mundo acompanha a história de Ryze Hope e Chloe Lights. Chloe é uma estudante transferida e, quando os dois se conhecem, rapidamente percebem que ambos possuem pingentes que começam a brilhar quando estão juntos. Logo descobrem outras coincidências, como terem nascido no mesmo dia, no mesmo hospital, e pelas mãos do mesmo médico.
Com um pouco de investigação, logo descobrem que esse médico, Doutor Buddy K. Holmes, é o guardião mágico dos dois, e que ambos tinham herdado os poderes de uma poderosa maga chamada Maya e que eles tinham como missão derrotar o maligno Rei Ronan, que reencarna em um mortal a cada mil anos. Esse é o pontapé da história, onde eles viajam por vários mundos para combater a magia negra enquanto correm contra o tempo.
Quem gosta de jogos de RPG ou MMORPG vai notar semelhanças de como a história se desenvolve, e isso, para mim, foi um ponto positivo, já que é esse desenvolvimento que me faz gostar tanto de jogos.
Sobre os protagonistas: Essa é uma opinião pessoal e possivelmente exagerada, porque o Ryze tem motivo para ser do jeito que é, e ele compensa no decorrer do livro, então, quando eu coloco na balança, minha antipatia por ele é injustificada. Porém, com a Chloe foi amor à primeira vista. Eles fazem uma boa dupla, ela sendo maluquinha do jeito que é e ele com sua visão um pouco pessimista do mundo.
É um ótimo enredo, e embora demore um pouco para dar aquela vontade louca de começar a ler sem parar, vale a pena, mesmo ficando um pouco arrastado em certos pontos. O mundo e regras são bem construídas e a variedade de personagens que aparecem é grande e o leitor vai se apegar a vários.
Um ponto negativo que devo apontar é que simplesmente não houve treinamento. Assim que Ryze e Chloe descobrem que têm esses poderes, eles já partem para a missão. Senti falta de um momento para eles realmente refletirem sob o peso da missão que estavam prestes a aceitar.
Existem alguns erros de pontuação de diálogos, mas nada que objetivamente atrapalhe a leitura.
Espero que tenham gostado da resenha e que confiram o livro quando sair!

Artigos relacionados

0 comentários

O blog da Liga é um espaço para ajudar os escritores iniciantes a colocarem suas ideias no papel da melhor maneira possível.