Dicas para escrever suspense

segunda-feira, 4 de agosto de 2014

Por: Thammi Lima

É sabido que a melhor técnica para se aprender a escrever, independente do gênero, é escrever! Não existe um passo a passo que leve um autor a ir do nada ao tudo de uma só vez, e nem técnicas que se possam seguir para desenvolver toda uma história. A prática leva à perfeição. Então, treine bastante! Não se baseie apenas no que se encontra na internet. Leia sempre que puder, buscando livros que abordem o gênero com o qual você deseja trabalhar. E treine. Treine sua escrita, faça rascunhos, redações, aventure-se pelas diversas maneiras de apresentar uma história, pois dominando a arte de escrever, sua criatividade, com certeza, fará o resto.

Fixado isso na cabeça com um clip bem firme, vamos ao próximo passo. O que escrever? Por onde começar? Bom, qualquer escritor que se preze considera até mesmo o ambiente no qual está para se sentir inspirado para escrever. E, sim, muitos deles, para incorporar verdadeiramente o espírito do gênero abordado, levam muito a sério o lugar e a hora em que vão escrever. Se isso influencia no desenvolvimento do roteiro? Digamos que sim, principalmente para quem quer criar aquela super história cheia de mistérios, sustos e todo o pacote que vem incluso nesse tipo de gênero. Por isso, a tia Thammi trouxe algumas dicas valiosas para vocês que desejam enveredar pelos caminhos sombrios do suspense. Vamos lá!

1. AMBIENTE IDEAL PARA ESCREVER UM SUSPENSE

A. Histórias de suspense e terror, geralmente, estão ligadas a enredos sombrios, que provocam tensão e medo nos leitores. Criar esse tipo de cenário nem sempre é fácil. Para facilitar um pouco a vida do escritor de suspense ou terror, a dica é tentar, ao máximo, “mergulhar” no clima da história. Procure escrever à noite, se for possível, ou até de madrugada, com pouca luz e, de preferência, no silêncio.

B. Que tal uma música para arrepiar os pelos? Procure ouvir músicas instrumentais, caso goste. Sons de piano ou violino são sempre inspiradores e aguçam a imaginação de quem está buscando criar um enredo cheio de sustos.

C. Um bom suspense é muito bem desenvolvido, rico em vocabulário e detalhes. É esse conjunto que traz dinamismo à história e faz com que o leitor acompanhe tudo até o final. É claro que ninguém precisa decorar o dicionário, mas tê-lo sempre por perto enquanto escreve é uma dica válida. Assim, você pode variar as palavras que usa, optando por sinônimos sempre que possível, além de descobrir palavras novas e, dessa maneira, enriquecer sua história.

2. CENAS

A. Crie cenas em sua cabeça ou anote-as em um caderno específico para este fim. Aproveite a inspiração que você pode obter através de um seriado de suspense, um filme, música ou livros do gênero. 

B. Comece a descrever! Procure, antes de tudo, imaginar bem detalhadamente em que local vai criar a sua cena de suspense e descreva tudo em um caderno ou no computador. Leve em conta cada pedacinho do cenário e anote tudo, sempre que puder. Assim, você nunca vai perder em detalhes e sua história poderá ser imaginada por seus leitores da mesma maneira que você a imaginou.

C. Uma dica interessante é visualizar cenários enquanto escreve o seu. Dessa forma, você terá algumas referências de locais ou mesmo de detalhes que poderá incluir na sua própria criação. Você pode fazer isso utilizando alguma ferramenta de busca online, por exemplo.

D. Mesmo depois que a cena estiver pronta, você sempre terá em suas mãos o trunfo de voltar a ela uma segunda, terceira, quarta vez e inserir mais características para enriquecê-la. Se sua cena representa as reações de seu personagem mediante determinado acontecimento, explore bem os cinco sentidos, de forma a mostrar aos leitores o que se passa com ele dentro da cena. Vamos ver alguns exemplos:

Tato - “E suas mãos suavam dento dos bolsos do jeans, ainda que estivesse tão frio quanto era possível, lá fora...”.
Olfato - “Sentia no ar o cheiro acre da casa morta há tantos anos, largada à própria sorte naquela rua de ninguém...”.
Paladar - “A boca encheu-se de sangue, que derramava-se pelos cantos em direção à gola da camisa, o ferro e o sal misturando-se sobre a língua e embrulhando-lhe o estômago...”.
Visão - “Ao vislumbrar a silhueta da velha bruxa andando pelo mato alto, ocorreu-lhe o pensamento de fugir, como se fugir fosse possível. Mas não era. Os pés pareciam enraizados à terra...”
Audição - “Ouvi o assobio longo e lamurioso do vento passando pelas frestas das portas e janelas e me encolhi embaixo das cobertas. Um arrepio gelado correu por minha espinha, mas respirei fundo e tentei dormir apesar do medo...”.

E. Busque fazer alusões. Abuse delas em suas histórias de suspense, pois cai super bem! E para isso, não é preciso muito, basta pensar em coisas que assustariam você, oras! Vamos a alguns exemplos:

“As paredes da casa morta (ao invés de apenas “casa velha”) exibiam veias longas (ao invés de simples “rachaduras”), que avançavam até o teto descamado, onde se abriam em úlceras bolorentas (ao invés de apenas “buracos”), deixando à mostra o encanamento antigo e as vigas apodrecidas que sustentavam o telhado...”

F. Uma dica super válida é: leia livros de suspense e preste atenção em COMO os autores geram o suspense. Deixe o enredo de lado e analise mais minuciosamente as características das quais os autores fazem uso para causar o efeito desejado.

3. LUGARES TENEBROSOS. JÁ PENSOU EM ALGUM?

A. Onde se passa a sua história? Em um castelo assombrado, perdido em uma floresta escura? Ou quem sabe em uma casa abandonada? Quem sabe ainda em algum lugar inusitado, como dentro de um elevador parado? Muitos autores, para inovar a forma de escrever, optam por lugares inusitados ou por fazerem coisas diferentes para fugir dos clichês do suspense, como Stephen King, por exemplo, que em seu livro, Celular, usou um aparelho móvel destes para desencadear uma verdadeira epidemia “zumbi”.

4. SEU PERSONAGEM É UM MARICAS!

A. Não esconda de seus leitores o medo que seu personagem possa estar sentindo. Mostre a eles essa tensão! Faça-os sentir a mesma coisa, descrevendo, em detalhes, que medo é esse, tanto psicológica quanto fisicamente. Uma boa dica é: se coloque na história. Como você se sentiria?

B. Outra dica legal para expor o medo e a tensão em sua história de suspense é se basear em algo que aconteceu com você e que, por algum motivo, lhe deixou com muito medo ou muito tenso. Lembre-se de como se sentiu, qual foi a reação do seu corpo diante do medo, assim como a do seu organismo, e transfira isso ao seu personagem quando precisar.

C. Descrever cada passo de seu personagem não é tarefa fácil e sempre vai existir o perigo de deixar a cena monótona e desinteressante. Mas dominando bem a escrita, o caminho que seu personagem faz até chegar onde precisa pode ser uma grande e aterrorizante aventura aos seus leitores. Para isso, é preciso saber articular bem as palavras, brincar com elas, de modo que um simples “descer as escadas até o porão” se torne algo assustador e envolvente. Vamos a um exemplo?

“Mário não queria descer e se aventurar na escuridão que engolia o porão, mas sua mãe, Dona Ana, não aceitaria não como resposta. Então, puxando as calças e convencendo a si mesmo de que já era um menino crescido, lá se foi Mário, descendo degrau a degrau, permitindo-se ser engolido pela boca negra do velho porão de casa. E tremia. Como tremia! Quando os pés alcançaram o primeiro degrau e a madeira rangeu, Mário gritou, coitado, de medo...”

D. Abuse das “sensações”. Como seu personagem está se sentindo? Como o corpo dele está reagindo à tensão da cena?


OS VERDADEIROS CLICHÊS DO SUSPENSE

1. Nada mais clichê que...

Indicado por: Thammi Lima
Uma casa mal-assombrada no meio do nada.
Um apocalipse zumbi.

Indicado por: Inês Montenegro
Protagonistas de suspense costumam dar um aumento louco nas taxas de orfandade. Especialmente se depois da morte dos pais são obrigados a ir morar com um parente/amigo dos pais desconhecido, ou numa instituição.
Também temos a moça/o nova/o na cidade.

Indicado por: Daniela Silva
Acontecimentos estranhos que começam a acontecer na chegada de alguém ao colégio/cidade. E tem também sempre aquele em que a personagem começa a receber mensagens/ligações misteriosas.

Indicado por: Synk Syncronizadora
Igrejas.

Indicado por: Lady Salieri
Pessoas que param em casas abandonadas xD

Indicado por: Iamela Freitas
Um grupo de adolescentes viajando/acampando. E esse e um clichê que serve pra terror também. Alias, é um clichê que tem em todo gênero.

Indicado por: Aimi Emi Fullbuster Isamu
Assassinos serial killers.

Indicado por: Ledilson Souza
O amigo brincalhão some e todo mundo acha que é brincadeira dele.

10 comentários:

  1. Muito interessante, realmente muitos desses clichês acontecem não só em fanfics ,mas em filmes famosos. Na minha opinião o clichê mais chato é o da casa abandonada no meio do nada, em muitas estórias e fanfics os personagens decidem entrar apenas por curiosidade (chato!), Eu acho legal quando os autores exploram mais, tipo "a garota que ama animais, viu um lindo gatinho entrar na casa abandonada, decide não segui-lo,mas escuta constantes miados do gato de dentro da casa, fica preocupada e decide entrar" Foi um exemplo tosco(e cheio de erros XD). Acho que deu para entender.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Deu sim para entender! Percebo o que queres dizer e concordo! A meu ver, não há mal nenhum com clichês, quando eles são bem trabalhados.

      Excluir
  2. Estou escrevendo um suspense com uma idéia parecida com a da casa abandonada.Mas calma,eu mudei algumas coisinhas para não ficar cliché:
    1-Mudei o nome para 'mansão macabra'
    2-A sua localização é num local onde todos deste universo conhecem,por isso ninguém dá muita importância a não ser alguns jovens que já entraram para se aventurar.Mas nada nunca acontecera.
    3-Eles (os protagonistas)não entram lá por curiosidade,por outro motivo.
    Isso torna uma idéia monótona mais interessante?Ficaria muito agradecido se respondesse.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Só a ler estes pontos eu não te consigo dizer se é ou não uma boa ideia, se é clichê ou não. Acho que tudo depende de como a desenvolves e, infelizmente, não consigo ver isso só nestes pontos.

      Excluir
  3. Muito obrigada, galera. Me ajudou bastante, agora finalmente posso prosseguir com a cena que eu tanto pelejava a escrever. :)

    ResponderExcluir
  4. Seria uma boa ideia adicionar desenhos? Sou ilustrador, e acho que faria um bom trabalho misturando leitura e arte

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Se achas que é pertinente ou que combina com a tua história, então claro que sim! É tua história e deves fazer aquilo que achas melhor e que te traz mais satisfação :)

      Excluir
  5. Bom, na minha história a protagonista recebe mensagens misteriosas, mas não tem nada de sobrenatural ou assassinos em série, continua sendo clichê?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Essa é uma pergunta difícil de responder, uma vez que uma história, para ser clichê, não depende apenas da ideia de que ela parte, mas também da maneira como essa ideia é tratada :)

      Excluir

O blog da Liga é um espaço para ajudar os escritores iniciantes a colocarem suas ideias no papel da melhor maneira possível.



As imagens que servem de ilustração para o posts do blog foram encontradas mediante pesquisa no google.com e não visamos nenhum fim comercial com suas respectivas veiculações. Ainda assim, se estamos usando indevidamente uma imagem sua, envie-nos um e-mail que a retiraremos no mesmo instante. Feito com ♥ Lariz Santana