Títulos Nobiliárquicos

Por: SayakaHarume Perfil:  http://fanfiction.com.br/u/35539/ Saudações, jovens de todas as idades que acharam o caminho para este...


Por: SayakaHarume

Saudações, jovens de todas as idades que acharam o caminho para este artigo! Hoje vamos falar de um assunto um tiquinho complicado à primeira vista, mas depois que se pega o jeito, você vai estar escrevendo praticamente no modo automático, juro. Já tivemos um artigo falando sobre Títulos de Nobreza e Pronomes de Tratamento, mas como eu sou obcecada por isso, resolvi expandir a explanação. Então, vamos lá?

Antes de passar para os títulos propriamente ditos, gostaria de falar um pouco sobre como eles eram adquiridos e/ou herdados. Essas leis mudavam com o passar dos anos e também variava dependendo da localização do reino. Como não pretendo fazer disso uma aula de história, vou me prender à realeza britânica e francesa da Alta Idade Média, de onde é mais comum os autores retirarem informações para criar a nobreza de seu novo mundo, além de serem mais simples. Se houver pedidos, posso fazer depois um outro artigo falando também sobre como era na Baixa Idade Média, mas acredito que não é estritamente necessário.

Alta Idade Média (476 D.C ― 1000 D.C)


Nessa época, a nobreza era constituída de cinco graus gerais: Duque, Marquês, Conde, Visconde e Barão. Cada um tinha uma função dentro do reino e respondia ao Rei e à família real.

No Império Romano, esses títulos podiam ser revogados pelo Imperador a qualquer instante e seus portadores eram remunerados em dinheiro por meio dos impostos arrecadados pelo Império. Isso mudou durante o Império Carolíngio (que, para quem não é bom em história, foi o Império que tomou a Europa entre os anos 800 e 888), onde os títulos viraram hereditários, vitalícios e inseparáveis da propriedade feudal de um território. Ou seja, o título estava ligado àquele pedaço de terra. 

Como o feudalismo estava se estabelecendo, não existia muito comércio, então a forma de recompensar alguém seria dando um feudo ao dito-cujo, junto com o título que o feudo levava. Quem recebia esse feudo se tornava um vassalo do superior, seu suserano. Era possível ser vassalo e suserano ao mesmo tempo. Um Duque poderia ceder um pequeno feudo a quem lhe prestara um serviço de grande valia, mas continuava sendo um vassalo de seu soberano.

Por exemplo, em Westeros, todas as grandes Casas são vassalas da Casa Baratheon, que é a atual portadora do trono de ferro, mas cada uma tem também seus vassalos. Entenderam? 

Nessa época tranquila, quem recebia o título podia ficar com ele por toda a vida com tranquilidade, uma vez que a lei não permitia que ele o perdesse, nem as suas terras, a não ser se cometesse um crime grave ou não cumprisse suas obrigações para com seu suserano e as leis do reino.

Quanto à hereditariedade do título, quando o portador falecia, seu filho mais velho herdava tudo e ia até o suserano fazer o juramento de fidelidade. Mas e aí? E quando o falecido não tinha filho homem? Na Inglaterra, Itália, Península Ibérica e na maior parte da França, ia tudo para a filha mais velha. Embora ela pudesse usar o título, era algo apenas no papel, por que o controle de tudo iria para o marido, se ela fosse casada. Já em outros lugares, mulheres nunca herdavam. Na falta de um filho, o herdeiro seria um irmão do falecido, e, se este também estivesse morto, o título iria para o sobrinho. Se não houvesse filhos, irmãos ou sobrinhos, mas uma filha casada, o título iria direto para o neto. 

Na França da Baixa Idade Média, as mulheres foram ainda mais excluídas. Para explicar esse método complexo, vou ilustrar com o seguinte exemplo: O Duque de Tangamandapio teve três filhas, e todas se casaram e lhe deram lindos netos. Tristemente, o Duque morreu sem ter um filho homem. Seus irmãos estavam mortos e nenhum deles teve filhos. Podia um dos netos do Duque herdar o título? Não. Podia o filho de uma irmã herdar o título? Não. A hereditariedade seguia uma linha masculina direta. Então quem herdava o título e o ducado? Ninguém. Voltava tudo pra mão do soberano. Isso tudo pra evitar ingleses de herdarem qualquer coisa durante a Guerra dos Cem anos e centralizar o controle dos feudos na mão do suserano.

Então vamos, enfim, para os títulos!

Posição/Título
Saudação
Função
Imperador/Imperatriz
Vossa Majestade Imperial/ Vossa Majestade¹
Soberano de Império
Rei/Rainha
Vossa Majestade/ Vossa Graça
Soberano de Reino
Príncipe Imperial/Princesa Imperial/ Príncipe Real/ Princesa Real/ Príncipe/ Princesa²
Vossa Alteza Imperial/ Vossa Alteza Real/ Vossa Alteza²
Filho e herdeiro do Imperador/Rei/ Senhor semi-independente do Reino/Chefe de Estado de um Principado²
Duque/Duquesa
Senhor Duque de Z/ Vossa Graça, o Duque³
Governador ou comandante militar de uma ou mais províncias.
Marquês/Marquesa
Vossa Senhoria/ Senhor Marquês de Z/ Meu Lorde, Minha Lady
Controla territórios nas fronteiras estrategicamente importantes, que podiam ser invadidas
Conde/Condessa
Vossa Senhoria/ Senhor Conde de Z/ Meu Lorde, Minha Lady
Governador de uma região menor do ducado/ Ministro, cortesão ou emissário do Imperador/Rei
Visconde/Viscondessa (*)
Vossa Senhoria/ Senhor Visconde de Z/ Meu Lorde, Minha Lady
Braço direito do Conde, e controlava o território na ausência deste, e quando o Conde possuía mais de um condado, era comum estes serem administrados pelos Viscondes
Barão/Baronesa (*)
Senhor/Madame
Geralmente possuíam cargos políticos envolvendo fiscalização
Senhor/Senhora
Vossa Senhoria/ Senhor de Z
Administradores de pequenos territórios importantes
Cavaleiro
Sir
Título dado por suseranos a soldados/oficiais que tenham demonstrado bravura no campo de batalha ou em torneios ou outra ocasião pertinente
Aristocratas e homens ricos, mas que não possuíam título de nobreza
Vossa Senhoria/ Mestre
Basicamente, cumprir suas funções como vassalos e súditos do Rei


(*) Títulos que só surgiram na Baixa Idade Média, embora existam registros da origem deles ainda na Alta Idade Média.

Nota 1: Mas tia, como o Imperador e o Rei podem ser chamados só de ‘Vossa Majestade’? Meu pequeno gafanhoto, como em um Império não tem reis, o Imperador entre amigos era chamado só de ‘Vossa Majestade’, mas em eventos oficiais, era ‘Vossa Majestade Imperial’.

Nota 2: E você pode me perguntar, com toda a razão: tia, que confusão é essa na linha de Príncipe/Princesa? Esse título é dado para os herdeiros do soberano. Para diferenciar entre os herdeiros da coroa e os outros, os herdeiros da coroa recebem um nome a mais no título, se for Império ou Reino. Também pode ser Príncipe/Princesa Herdeiro(a), Príncipe/Princesa da Coroa. Só que esse título não é exclusivo de filhos do soberano, mas também de Chefes de Estado do Principado, que é um território, dentro do Reino ou Império que cresce tanto a ponto de funcionar quase totalmente independente do resto do Reino. Ainda segue as mesmas leis, o Rei ainda tem a soberania, mas deixa o barco correr livremente (desde que não queira a independência total). Então o Duque (esses territórios que cresciam tanto assim geralmente eram ducados) clamava o título de Príncipe, porque não podia clamar o de Rei.

Nota 3: Esse segundo não tem flexão para o feminino, já que a Duquesa só era assim chamada por ser a esposa do Duque. Segundo as leis vigentes, uma mulher não poderia administrar um ducado. Aqueles chatos...

Erros Comuns


― Dirigir-se ao Rei ou ao Imperador como ‘Sua Majestade’. ‘Sua’ é usado só quando colega x está falando com colega y sobre o soberano. O mesmo ocorre nos outros casos. Quando se fala diretamente ao portador do título é ‘Vossa’, referindo-se a ele a uma terceira pessoa, usa-se ‘Sua’.

― Chamar os descendentes de um Duque ainda vivo também de Duque. Não é uma classe, é um título pessoal e intrasferível, como o CPF e o RG. Vale para os outros títulos também. Ah, e o filho de um Conde nem sempre é Visconde. Só se o pai resolver dar uma parte do condado para um filho mais novo. Ou mesmo pro mais velho, mas quando o Conde morrer, esse mesmo filho mais velho herda o título.

― Chamar um nobre de Lorde João ou uma nobre de Lady Maria. Lorde/Lady é sempre usado com o nome completo da pessoa ou apenas com o sobrenome. As princesas britânicas são exceção (Salve Lady Diana!). O mesmo vale para Senhor/Senhora.

― Chamar um cavaleiro de Sir Smith. Esse título é o contrário de Lorde/Lady, pois é usado com o primeiro nome, Sir João, ou com o nome completo, Sir João da Silva. O mesmo para Dama ou Dom (monarquia portuguesa/espanhola/brasileira).

― Usar Lorde para mulher que não seja a cantora Lorde (que piada horrível, eu sei). É sempre Lady, salvo em casos raríssimos, que eu sei que existem, mas não sei onde se escondem, porque são muito raros. Também não se pode usar Lorde para Imperador, Rei, Príncipe ou Duque.

― Confundir ‘nobre’ com o portador de um título de nobreza. Nobres eram pessoas bem nascidas e bem relacionadas, mas nem todas possuíam títulos.

― Agora, metendo o bedelho na construção do enredo, outro erro comum é fazer um impostor se passar por alguém com uma distinção mais alta, como um Duque, por exemplo, com facilidade. Seria como alguém tentar se passar por um governador. Faz sentido? Não, não faz.

― Chamar Rei por nome e sobrenome, quando isso nunca foi usado. Aliás, muitas famílias reais sequer tinham sobrenome, os filhos de reis e imperadores recebiam apenas o nome de batismo. Não pensamos muito nisso, mas... qual é o sobrenome de Sua Majestade Real, a Rainha Elizabeth II? Pois é, não tem. Você pode até me perguntar sobre a Casa Windsor, mas não é o sobrenome, é só a Casa da família real. Em Game of Thrones, série de livros que popularizou esse conceito, o Martin fez uma adaptação para seu próprio mundo. Se ele tivesse seguido a regra, os Baratheon (Casa que está no Trono de Ferro, apesar de só ter Lannister por lá) sempre seriam mencionados não como Robert Baratheon, ou Stannis Baratheon, mas Robert da Casa Baratheon, Stannis da Casa Baratheon, etc. Sinta-se livre para fazer adaptações na sua história de fantasia, mas se estiver escrevendo algo que se passa no nosso mundo, recomendo que siga a regrinha.

― Pensar na hierarquia dos títulos de nobreza como uma carreira, com promoções. Promoções são raras. Raramente aconteciam dentro da linha hereditária de uma família, e mais raramente ainda na vida de uma só pessoa. 

Como toda a regra, tem suas exceções, e se existe algo que você queira mudar, é só bolar aquela explicação bem legal e lógica, dentro do costume montado na sua história.

Enfim, gente, foi isso! Espero que esse artigo lhes tenha sido útil e que ajude a escreverem suas fanfics históricas ou fantásticas!

Milhões de beijos e abraços e cupcakes!






Artigos relacionados

6 comentários

  1. Parabéns pelo post, muito esclarecedor, mas ainda sim fiquei com a dúvida de usar letra maiúscula ou minúscula quando vou escrever "rei" ou "rainha". Isso depende do contexto ou há uma regra clara?
    Obrigada!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá! Eu vou passar o teu comentário à autora do texto, pois eu não consigo responder à pergunta. Irei postar aqui a sua resposta assim que possível :)

      Excluir
    2. Aqui vai a resposta da autora: "Até onde eu sei, não existe regra clara, então acredito que depende do contexto. Letra minúscula quando usado como substantivo, e quando acompanhar o nome do rei, ser escrito com letra maiúscula, por exemplo: Rei Robert. Desculpe não poder informar mais."

      Excluir
  2. Eu sempre volto nesse texto para escrever minha fanfic, muito obrigada :3

    Uma pergunta: Um imperador, pode imperar sobre vários reis? Ou não pode haver um imperador comandando vários reis?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá! Fico muito contente que o post te ajude :)
      Eu vou passar a tua pergunta à autora e, assim que tiver uma resposta, posto aqui :D

      Excluir
    2. Segui aqui a resposta da autora: "O conceito de Império é justamente esse, uma união de vários reinos. Porém, até onde eu sei, não é muito comum usar o título de rei para quem controla esses reinos, porque quando invadidos, o Imperador destituía o Rei e colocava alguém de confiança, que poderia ser um Duque, um Grão-Duque, e então esse reino seria tratado como Principado. Relativamente independente, mas ainda respondendo ao Império e pagando impostos a ele. Espero ter ajudado, qualquer coisa, estamos aí o/"

      Excluir

O blog da Liga é um espaço para ajudar os escritores iniciantes a colocarem suas ideias no papel da melhor maneira possível.