Cenas dramáticas na história

Por: Senhorita Ellie Perfil:  http://fanfiction.com.br/u/358339/ A palavra drama tem diversos significados. Em uma visão mais liter...


Por: Senhorita Ellie
A palavra drama tem diversos significados. Em uma visão mais literal, podemos vê-la como um “texto em prosa, escrito para ser encenado”, mas ainda há a concepção mais comum que temos, onde drama é “qualquer narrativa no âmbito da prosa literária em que haja conflito ou atrito”. Em ambos os significados, há o sentido comum de ação e intensidade emocional.
Amplamente, o drama é associado ao teatro, mas também há aparições dele na nossa literatura de prosa, sobretudo em nossas fanfics, onde a manifestação de cenas dramáticas é bastante comum. Contudo, há boas cenas de drama e há cenas ruins de drama; esse post tem a intenção de ajudar você a diferenciá-las e escrever passagens cada vez melhores.
  1. Pergunte a si mesmo: essa cena realmente é necessária? É realmente muito excitante a ideia de escrevermos cenas dramáticas todo o tempo, mas é preciso pensar na história como uma cadeia de fatos, onde um leva ao outro e todos estão interligados. Por isso, todos os acontecimentos devem estar lá por um motivo. Uma cena não pode acontecer simplesmente por acontecer. Ela deve ter, pelo menos, alguma ínfima importância no amadurecimento de seu personagem, alguma influência em algum grande acontecimento futuro... Por mais que ela pareça ótima na sua cabeça, uma cena que não acrescenta nada à história é apenas desperdício de tempo e esforço, tanto seus como do leitor.
  2. Quem são as personagens da sua cena? Elas são realmente necessárias? Novamente: sua história não deve ter muitos excessos. Qual é o sentido de fazer uma cena com foco em dez personagens, sendo que apenas três delas são importantes? Quando for escrever sua cena, pense em quem é importante para ela; os acontecimentos se focam em quem? A cena precisa das personagens para andar, afinal, são elas que agem (e a essência do drama é a ação, lembra-se?), mas quanto mais figuras você acrescentar, mais perdido você tem a chance de ficar.
Ah, Ellie, mas aí vai parecer que a minha história só tem cinco personagens!”... Não, não vai. Sua história pode ter quantas personagens você quiser, a única coisa que você precisa fazer é escolher o seu foco. Não há nada que te impeça de acrescentar mais figuras, mas pense nelas como figurantes.
  1. Qual é o conflito? Qual a sua origem, como será seu desenvolvimento, qual será o desfecho? Como também já foi dito lá em cima, o drama se sustenta em cima de um conflito. Assim, quando você for pensar na sua cena, tenha em mente que ela deve girar em cima de uma razão, de uma necessidade, e que, no fim, essa necessidade deve ser conduzida ao fracasso.
Ué, vou ter que fazer meu personagem sofrer em todos os capítulos?” Não. Existe aquilo que chamamos de capítulos de transição, que ajudam a construir a expectativa para um clímax, mas deve-se tomar muito cuidado para não entediar seu leitor. Pode parecer difícil, mas não é! Saber qual será o seu conflito — quais são os motivos, qual será o clímax de sua cena, quais serão as conseqüências dela — tornará você seguro do que está escrevendo e, consequentemente, passará essa segurança para o leitor.
  1. Não dê todas as informações de cara para o seu leitor. Essa parece fácil, mas quando vamos pensar, não é. Obviamente, não se deve dar todas as informações logo de início, pois qual é a graça de ler uma história onde já se sabe de tudo? Mas também, com isso, surge a questão: quando revelar fatos importantes da história para o meu leitor?
Isso não é algo padronizado, cada história tem suas perguntas e as respostas serão demandadas de acordo com o desenrolar do enredo. Contudo, para você se orientar melhor, é sempre recomendável fazer um esquema — não é necessário ser nada elaborado, apenas um esqueleto do que você está pretendendo fazer — e usá-lo para saber quais acontecimentos são importantes para certas alturas da história. Por que revelar no início da história detalhes sobre um acontecimento que, de acordo com o seu esquema, só virá no final? De acordo com essa “linha do tempo”, você pode administrar melhor as informações que serão reveladas ao leitor, mantendo o mistério que o faz ir adiante e sem deixá-lo frustrado.
  1. Dê voz e ação para as suas personagens. Drama é ação e, o núcleo da ação, está nas personagens. É nelas que reside o conflito, o desenvolvimento, a história, os diálogos... Tudo. Então, o mínimo que você pode fazer é não deixar suas personagens caírem na apatia.
Ellie, minhas personagens são apáticas?” Se elas não despertam sentimentos em quem lê, se as interações entre elas parecem desinteressantes, se elas não agem... Sim! É muito importante se preocupar com o cenário onde a sua história vai acontecer, mas seu foco para o drama deve estar sempre nas personagens. Faça-as sentir, enfoque sua linguagem corporal, dê personalidades para elas, crie personagens que poderiam ser qualquer pessoa: um amigo seu, uma vizinha, você. Porque é essa empatia que vai fazer o leitor continuar e que vai dar verossimilhança para suas passagens.
Mas como assim? Se minhas personagens fazem coisas, elas agem, não? Então elas não são apáticas.” Sim e não. Eu posso dizer que minha personagem acordou, levantou-se da cama, vestiu roupa, comeu um pão de queijo e foi trabalhar e isso, em termos, é ação, mas não é uma ação que desperta sentimento algum em quem está lendo. Não há emoção no agir e é isso que faz dela apática. Pegue, por exemplo, duas pessoas brigando (uma cena muito comum em fanfics e na nossa vida, também): elas não ficam paradas e gritando, apenas. Elas gesticulam, franzem as sobrancelhas, mudam o tom de voz, caminham para um lado e para o outro, reviram os olhos, passam a mão pelos cabelos...
Enfim, faça seus personagens agirem, dê voz para os sentimentos deles e, consequentemente, o leitor vai sentir também.

Essas são apenas algumas dicas. O drama explora a dinâmica das relações entre as pessoas e, sendo as pessoas multifacetadas, há mil possibilidades para você experimentar. Conheça seus personagens, goste deles, não tenha medo de tentar! A abundância de probabilidades é apenas uma ferramenta que você pode usar a seu favor e um dos motivos pelo qual a literatura é tão vasta, maravilhosa e variada. Outras pessoas tentaram e deram certo. Você pode conseguir também. 

Artigos relacionados

2 comentários

O blog da Liga é um espaço para ajudar os escritores iniciantes a colocarem suas ideias no papel da melhor maneira possível.