Gêneros Polêmicos (02/03)

Por Anne L (Liga dos Betas) Perfil: http://fanfiction.com.br/u/3775/ Gêneros Polêmicos – parte II Atenção : esse post tratará ...


Por Anne L (Liga dos Betas)

Gêneros Polêmicos – parte II

Atenção: esse post tratará de temas polêmicos, rejeitados pela sociedade como um todo por ofenderem a moral, os bons costumes, algumas religiões e, em alguns casos, até a lei vigente de um país. Se o assunto incomodar você de alguma forma, não leia.

3. MPreg (Male Pregnancy) – Do inglês “gravidez masculina”, este gênero existe quase inteiramente em fics com yaoi. Creio que o nome seja autoexplicativo, são histórias em que os homens engravidam. 
Não existe uma explicação fixa para os homens engravidarem nas fics. Algumas usam personagens hermafroditas, outras, personagens trans que ficaram grávidos de surpresa e existem aquelas, ainda, em que o personagem fica grávido sem explicação aparente. 
A origem do gênero, creio eu, está associada à origem do yaoi propriamente dito. Se já eram feitas histórias em que dois homens representavam uma relação heterossexual em pé de igualdade, por que esses mesmos homens não poderiam dar mais um passo e assumir outra coisa associada somente a mulheres, a gravidez? O motivo é válido, e faz até certo sentido, mas como mencionado no post anterior, muitas fics do gênero se perdem por não explorarem as implicações da gravidez masculina de forma satisfatória. Quer dizer, é um cara carregando um bebê! Por que simplesmente estabelecer isso como um fato, sem acrescentar mais nada?
No mundo real, fora das histórias, há várias especulações e casos — não realmente comprovados — de gravidez masculina em seres humanos. Com as constantes mudanças e melhorias na tecnologia mundial em diversos campos, não só o embrionário, seria besteira dizer que é algo completamente fora da nossa realidade. 
No mundo animal, embora as opiniões dos especialistas tendam a divergir, alguns animais apresentam o que poderia ser chamada de gravidez masculina, como os cavalos-marinhos. Em geral, essa característica se estende a peixes, e os animais incluídos aqui podem ou não ter algum tipo de bolsa para guardar os filhotes em desenvolvimento.


4. Estupro – Eu ia fazer canibalismo primeiro, mas, aproveitando a pesquisa do IPEA e os protestos, vamos lá.
Definição, segundo o dicionário Priberam:

es·tu·pro
(latim stuprum, -i)
Ato de forçar alguém a ter relações sexuais contra a sua vontade, por meio de violência ou ameaça. = VIOLAÇÃO
Confrontar: estrupo.

E, como explícito aí em cima, é “estupro”, não “estrupo”. Se é para falar a respeito, tem que falar e escrever do jeito certo.
Estupro é crime. Eu sei que é óbvio, gente (ou pelo menos deveria ser), mas ser estuprado não é uma coisa boa. O que eu vejo com muita frequência em histórias (e em livros, sim) é esse crime ser retratado como se fosse. Talvez nem necessariamente o estupro em si, mas a relação entre estuprador e vítima. Muita gente gosta de fazer cenas de estupro em que, na verdade, no fundo a vítima “está gostando”. Nem preciso comentar o quão tenebroso é isso aí. Claro que existem casos e casos, pode ser que aconteça de alguém ser estuprado e desenvolver assim mesmo algum sentimento pelo responsável, mas isso não é uma coisa frequente, e não deveria ser tratada como tal. 
Sabe aquele mangá yaoi fofíssimo em que o seme “tara” o uke, que fica chorando e implorando que “ele pare, por favor, pare, eu não quero”, e ele não para? Pois é, estupro. Aquele seme que amarra o uke na cama e aí fica fazendo todo tipo de coisa com o uke contra a vontade dele? Estupro. Sabe aquele cara lindo e maravilhoso que sequestra a protagonista na fic e, com ela presa no depósito, ele acaba sentindo uma atração tensa e obriga a moça a transar com ele? Adivinhem. 
Não importa se o personagem “parece” que está gostando. Não importa que ele fique negando “só para fazer charminho”. Se a pessoa não quer, é estupro. Muitos mangás (eu citei semes e ukes porque isso é muito normal em mangás yaoi, tem toda uma legião de fãs), fics e livros tratam esse crime de forma banal e, me atrevo a dizer, até romântica, quando a realidade não é bem assim. Não faz diferença o cara que estupra a menina ser bonito ou feio; rico ou pobre; apaixonado por ela e cheio de boas intenções. A violência ainda ocorre e, diferentemente do que é narrado e mostrado nas histórias de que eu falei, no fim de tudo a vítima não fica grata pelo que aconteceu, não fica feliz, não se apaixona. Mas um fato é que ela nunca mais é a mesma. 
Pessoalmente, eu considero o estupro pior que a morte. Não é algo que possa ser apagado com facilidade, as sequelas continuam com o tempo e, muitas vezes, a vítima ainda sofre outras consequências depois disso, como uma gravidez nem um pouco desejada ou o escárnio da sociedade. Não é algo a ser tratado de maneira tão leviana.
Vale também ressaltar que esse crime não é válido só quando há uma situação extrema, como um sequestro, um contrato suspeito (sim, me lembrei de 50 tons e, não, não vou falar de BDSM agora). Pode ocorrer um estupro entre namorados, dentro de um casamento. Por mais que duas pessoas se amem e já tenham tido relações sexuais antes, isso não dá a nenhuma das partes o direito de exigir que a outra satisfaça seus desejos mesmo quando não tem vontade, e ameaçá-la e obrigá-la a tal é... Vocês sabem. Já vem da definição, gente, “forçar alguém a ter relações sexuais contra a sua vontade”. Para quem ficou chocado, saiba que, na maioria dos casos (reais), o estuprador é alguém que a vítima conhece. 
No entanto, se você leu até aqui e acha que eu sou contra utilizar o tema em histórias por ser tão grave, está enganado. Como todos os gêneros do post 1 e MPreg, este também é interessante, com aspectos dos mais variados para você explorar. O problema é explorar direito. Se você realmente quer escrever sobre o assunto, a chave é saber como abordá-lo. Veja o estupro como ele é, um crime. Pense em como ficariam o psicológico da vítima e suas ações durante, depois, no que acontece com o mundo ao redor dela e em como eles passam a se relacionar. O mesmo vale para o estuprador.
Em último caso, se o tema da sua fic/livro/coisa é fulano se apaixonando por ciclano mesmo sendo estuprado por ele, não há mal em escrever assim. Só tenha em mente que não é o usual e que você provavelmente vai ter que se esforçar em dobro para mostrar de maneira plausível por que/como o plot chegou a isso. 

Vejo vocês na última parte!


Material Consultado:

"estupro", in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa [em linha], 2008-2013, http://www.priberam.pt/dlpo/estupro [consultado em 04-04-2014].

Artigos relacionados

5 comentários

  1. Você foi gentil na publicação hein gata :D KKKK
    Eu não vejo mal em abordar os temas polêmicos nas histórias, o problema é que 90% de quem escreve não tem nem a cara de pau de fazer uma pesquisa decente e dar uma boa explicação do porque daquele moço lindo ter bebê. Quando apelam para Hermafrodita fica ainda mais confuso, pois seus órgãos sexuais podem não ter se desenvolvido corretamente para engravidar ou ficar grávido.
    Já o estrupo é o que eu menos curto. Você citou os animes, alguns eu vejo e leio, mas geralmente não acho graça no ato em si, principalmente em fanfic.
    Em especial no Nyah, as pessoas selecionam os gêneros romance, amizade, e ai vem aviso: estrupo. Fico ????
    O irmão pegou a irma, o amigo, o vizinho, ela curtiu, ou o rapaz em uma fraternidade obrigado a transar com todo mundo, dai vou nos comentários, todo mundo amando. Isso porque a violência é trata como algo bom pra todo mundo, se ele gozou é porque gostou :v
    aiaiai
    Beijocas Anne <3

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É que é exatamente assim! Eu às vezes leio uma fic e fico sem saber o que pensar, as pessoas realmente não têm noção das coisas!

      Beijos

      Excluir
    2. Infelizmente é assim mesmo. Já li algumas fics com relatos de estupro e 90% ou até mais que isso, o descrevem como algo legal, prazeroso de ambas as partes. Aquele(a) que é forçado na maioria das vezes acaba gostando. Eu considero isso um perigo, pois mostra o quanto nossos jovens, pois a maioria dos comentários são de jovens, e até nossos escritores tem uma visão deturpada do assunto, não conseguem diferenciar o estupro do sexo consensual regado a violência e dominação, como o sadomasoquismo. Eu nem leio mais este tipo de fic.

      Excluir
  2. [justo]Muito interessante mesmo, espero que vocês escrevam mais sobre Gêneros Polêmicos que existem em muitas fanfics em que os usuários colocam sem sequer pesquisar...

    Eu gostaria de saber particularmente sobre BDSM e também tem um assunto que é bastante usado o termo se não me engano Escravo Sexual porque são assuntos sérios mais muitas vezes ridicularizados, digamos assim.[/justo]

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Os posts são escritos voluntariamente, e não sei se a autora já sabe o que vai fazer no post, mas vão tentar avisá-la do teu comentário.

      Excluir

O blog da Liga é um espaço para ajudar os escritores iniciantes a colocarem suas ideias no papel da melhor maneira possível.