Criatividade

Por: André Felipe “Faculdade ou atributo de quem ou do que é criativo; capacidade de criar coisas novas; espírito inventivo.” ...


Por: André Felipe



“Faculdade ou atributo de quem ou do que é criativo; capacidade de criar coisas novas; espírito inventivo.”
(Dicionário Aurélio da língua portuguesa)


“É preciso provocar sistematicamente confusão. Isso promove a criatividade. Tudo aquilo que é contraditório gera vida.”
(Salvador Dalí)

           ***


Em “Imaginação e Criação na Infância” Lev Vygotsky define o processo criativo como um “parto de longa gestação” onde podemos dizer que a criatividade é o início dessa gestação. Se formos classificá-la como um comportamento, seria algo como ter ideias que se diferem das outras por algum fator, seria o que nos ajuda a ter boas ideias.

Albert Szent diz que descobrir consiste em olhar as mesmas coisas que todos olham e pensar algo diferente, mas como fazer isso? Tendo em conta que a criatividade flui de um conflito com algo, separou-se uma lista para nos ajudar a “despertar a criatividade”.

  • Leia!
Ler sempre foi a melhor maneira de ser criativo. Leia desde verbetes do dicionário a livros famosos; toda leitura é produtiva. Além de aguçar nosso senso crítico, ler traz conhecimentos novos que alimentam nossa imaginação, nos ajudando a ser mais criativos.

  • Mude sua rotina
Não há nada que desgaste mais a criatividade do que a rotina. Faça algo diferente, saia para dar um passeio de bicicleta, se possível, escreva em outro lugar, passeie por lugares onde você não costuma ir. Além de ser ‘desestressante’, ativa regiões do cérebro e até ajuda a prevenir o Alzheimer.


  • Seja curioso
Procure investigar o que te instiga, não hesite em perguntar se não compreendeu. Participe de grupos de discussão, além de ajudar na criatividade isso vai melhorar sua capacidade argumentativa.

  • Ouça música
Uma das fontes de inspiração mais conhecidas. A boa música toca a alma, nos diz coisas e ajuda a relaxar.
      

AVISO: É importante ter em mente que nessas dicas, generaliza-se. Pode ou não funcionar com você, mas vale à pena tentar.


Por fim, disponibiliza-se um teste interessante criado pelo autor Tony Buzan, que tem como objetivo “definir” nosso nível de criatividade.

O teste consiste de 14 perguntas, que você deve refletir e responder com sim ou não. Contabilize a quantidade de sins e nãos, se a resposta for “sim” em mais da metade das perguntas, sua criatividade está em dia!

  1. Você “sonha acordado”? 
  2. Você planeja cardápios e cozinha para si mesmo, para a sua família ou amigos? 
  3. Você mistura e combina cores, tecidos e acessórios ao comprar roupas para criar um estilo próprio? 
  4. Você gosta de diferentes tipos de musica? 
  5. Você se lembra com prazer dos pontos altos da sua vida, por exemplo, períodos especiais em que passou com amigos, grandes momentos desportivos, férias inesquecíveis, algum “fracasso” ou vitória importante? 
  6. Você fazia muitas perguntas quando era criança? 
  7. Você ainda faz muitas perguntas? 
  8. Você às vezes se encanta diante da complexidade ou da beleza das coisas e procura saber como isso funciona/foi feito/aconteceu/surgiu em sua vida? 
  9. Você tem fantasias sexuais? 
  10. Você tem em casa jornais, revistas ou livros que prometeu a si mesmo que leria, mas ainda não encontrou tempo para fazê-lo? 
  11. Há outras coisas em sua vida que você prometeu a si mesmo que faria ou realizaria, mas ainda não tomou a decisão de concretizá-las? 
  12. Você é movido ou estimulado por espetáculos excepcionais nos campos da música, dos esportes, do teatro ou das artes? 
  13. Você diria “sim”, se eu, com uma varinha mágica de repente: 
  • O tornasse um dançarino hábil, leve, esplêndido, capaz de surpreender a platéia em cada etapa da dança?
  • Desse a você uma voz igual à do seu cantor preferido, capaz de cantar praticamente qualquer canção, para sua satisfação pessoal e para prazer e diversão de outras pessoas?
  • Fizesse de você um artista competente, capaz de rascunhar em poucos instantes desenhos humorísticos, esboços, paisagens e retratos, e de esculpir tão bem que o próprio Michelangelo o consideraria um aluno brilhante?

E então, você está em dia com a sua criatividade?

----


Material consultado:
Lev Vygotsky. Imaginação e criação na infância. Disponível em: http://pt.scribd.com/doc/118343867/Imaginacao-e-Criacao-na-Infancia. Acesso em: 13/04
Café Psicológico. Criação e Imaginação. Disponível em: http://el511i.blogspot.com.br/2011/06/criacao-e-imaginacao.html. Acesso em: 13/04
Sérgio Navega. De onde vem a criatividade? Disponível em: http://www.intelliwise.com/seminars/criativi.htm. Acesso em: 13/04

Artigos relacionados

6 comentários

  1. Excelente! A leitura, particularmente, é algo que recomendo a quem posso. Não há fonte mais rica de onde extrair conhecimento =)

    ResponderExcluir
  2. Amei! O que eu mais recomendo é ir em lugares diferentes, tirar o estresse, mas, varia de pessoa para pessoa :)

    ResponderExcluir
  3. Muito legal!
    Ao fazer o teste, reparei que faltou uma pergunta para totalizar as 14 (mas ela aparece no blog indicado como fonte).
    Embora eu ainda vá dar uma vasculhada por aqui, gostaria de sugerir (caso não tenha nenhum artigo sobre isso) que escrevessem um artigo com técnicas para superar o "bloqueio criativo", se é que existe uma espécie de "receita de bolo". Tem tantas fics legais no Nyah cujos escritores estão sofrendo bloqueio...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oh, minha querida, temos esse artigo aqui, veja se ajuda =)

      http://ligadosbetas.blogspot.com.br/2013/10/sugestao-atendida-como-terminar-uma.html,

      Um beijo =D

      Excluir
  4. E se for difícil concretizar, realizar o texto? Quero dizer, as idéias de base já estão devidamente estruturadas, mas o texto de fato não sai. Como proceder?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Na minha opinião, não existe uma técnica padrão. Acho que a maneira de proceder muda de pessoa para pessoa. Eu pessoalmente, quando isso me acontece, gosto de deixar a história "descansar". Isto é, durante um prazo à tua escolha (por exemplo, dois dias, uma semana, duas semanas, etc.) não editas nada sobre a história. Não deixas de pensar nela, porque isso é impossível, mas não escreves, não acrescentas novas ideias. Ao fim desse prazo, voltas a focar-te na história. Ao fim do tempo selecionado por ti, és capaz de teres novas ideias, ou maneiras de explorar as ideias que tinha antes, e tentas escrever aquilo que tens. Muitas vezes, não é fácil começar pelo início da história, e quando isso acontece, é melhor começar-se a meio, ou escrever pequenas partes e depois juntá-las.
      Espero ter ajudado :)

      Excluir

O blog da Liga é um espaço para ajudar os escritores iniciantes a colocarem suas ideias no papel da melhor maneira possível.