A personagem (2/2): proposta de ficha

quarta-feira, 10 de abril de 2013

Por: Anne L


Como se cria um personagem?


Como já vimos, os personagens configuram uma parte importantíssima da história. Podem movimentá-la, travá-la para sempre, marcá-la ou deixar a história tão batida que mesmo um enredo incrível não vai conseguir tirar aquele ar sem graça à medida que você vai avançando os parágrafos. Então, como se constrói um bom personagem? 

Algo que eu notei ao longo dos anos escrevendo e lendo fanfics – até mesmo alguns livros, para ser sincera – é que a maioria dos autores não aprofunda seus personagens. Em algumas fics, é só aquilo mesmo, a pessoa coloca uma foto da celebridade que se assemelha a eles fisicamente e pronto! Nem uma descrição de duas linhas eles ganham. 

Claro que você não precisa inventar uma segunda história para dar vida a cada uma de suas criações, mas é interessante que tenhamos ao menos alguns detalhes em mente na hora de escrever, até para que tudo flua mais lógica e naturalmente. “É isso que Fulano diria aqui”. “É assim que Fulano agiria nessa situação”.

Nas minhas andanças pela internet, encontrei uma ficha, presente num livro sobre animação, com as perguntas básicas que você pode se fazer quando cria um personagem. Obviamente, ela não contém todas as informações que você pode querer adicionar ou, dependendo do caso, talvez contenha informação até demais, porém, é muito útil para se ter uma base e, a partir daí, formar cada personagem seu aos pouquinhos. A ficha se encontra abaixo. Foi inteiramente traduzida e adaptada por mim. Sintam-se livres para usar e chega de personagens superficiais!



Ficha do Personagem

  • Idade: Qual é a idade do seu personagem agora? Ele está muito diferente do que era quando era mais novo?

  • Etnia: Quais são as origens do personagem? Como ele se sente sobre elas?

  • Altura: Qual é a altura do personagem? Como isso afeta a maneira com que ele vê seu lugar no mundo?

  • Peso: Qual é o peso do personagem? Como os outros o tratam por causa dele, se for diferente do normal?

  • Sexo/Reprodução: Como o personagem se reproduz? Ele faz sexo? Ele é virgem? Como isso muda seu comportamento? 

  • Gênero: Qual é o sexo do personagem? Como isso altera seu papel e status no mundo e dentro de sua família?

  • Saúde: O personagem é deficiente? Se sim, ele nasceu assim? Ele tem asma? Como sua saúde o afeta a atingir seus objetivos?

  • Inteligência: O personagem tem um nível normal de intelecto ou abaixo do normal? Ele é um gênio? Como esse intelecto o faz reagir com as pessoas em volta?

  • Educação: Não é para ser confundido com inteligência; você pode ser estudioso e não ter nenhum bom senso. O personagem é alguém que foi educado nas melhores escolas ou ele largou talvez o ensino médio? Essas coisas afetarão muito como ele interage com outras pessoas que acha que não são do seu nível ou à altura de quem ele acha que nunca estará.

  • Ciclo evolutivo: Esta é a expectativa de vida do personagem. Obviamente, se você está lidando com humanos, sabe a duração mínima, porém, muitas vezes em histórias trabalhamos com aliens, animais ou mesmo pessoas de épocas em que a expectativa de vida era bem menor.

  • Cultura: Essa parte se refere às crenças do personagem. Isso pesa muito na mente dele, mesmo que ele não acredite mais nas coisas em que foi educado, porque é a única coisa que ele conhece – é como foi ensinado desde pequeno.

  • Comida/Alimentação: A comida que seu personagem come pode revelar como ele vê a si mesmo e a seu corpo. Ele é um atleta que só pode comer certas coisas? É um motorista de caminhão desempregado que ama cachorro-quente com chili?

  • Noturno: O personagem é mais ativo durante a noite? Ele gosta de ficar acordado até tarde?

  • Família: Valores? Tamanho? A estrutura da família tem um grande papel na formação do seu personagem e em como ele vê seu lugar no mundo. Se ele veio de uma família grande, ele pode ser barulhento e escandaloso de tanto tentar se fazer ouvir. Se for filho único, pode ser mais introvertido e tímido, ficar na dele. 

  • Dinheiro: O personagem é rico? Pobre? Destituído? Terrivelmente rico?

  • Profissão: O que o personagem faz da vida? Como isso contribui para que ele atinja seus objetivos ou o impede de alcançá-los?

  • Estrutura corporal: Esse atributo afeta totalmente como o personagem se move e como ele é visto pelos outros. Ele é grande e magricela? Ele anda engraçado? Ele é pequeno e passa despercebido?

  • Defeitos (fatal): Defeitos são cruciais para mostrar humanidade. Eles também podem trazer a morte do personagem ou ser o obstáculo entre ele e seu objetivo.

  • Idiossincrasias: O que faz do personagem diferente? É assim que você cria um personagem memorável. Ele fuma um cachimbo? Ele inclina a cabeça quando fala? Ele tem gagueira? São esses detalhes interessantes que farão do seu personagem, independente do modelo que você escolha, diferente do resto.

  • Ambiente: Como um ambiente de uma igreja versus uma batida de carro influencia o personagem? Ele pode ter tido experiências nas quais reagiu de maneira fora do normal por causa do seu passado. Talvez ele tenha tido uma mãe que entrava e saía de hospitais a vida toda, então ele simplesmente não suporta mais entrar em um.

  • Objetivos: O que seu personagem quer? O que ele deseja mais do que tudo? Como ele pode fazer isso acontecer? Do que ele precisa?

  • Sonhos: Quais são os sonhos do seu personagem? Sonhos são ambições altas que temos, mas que podem ser tão altas que estão fora de alcance. Diferente dos objetivos, sonhos parecem estar bem distante no futuro. Sonhos e objetivos são similares porque sonhos logo podem virar nossos objetivos à medida que chegamos mais perto de fazê-los virar realidade.

  • Trauma: Seu personagem teve algum trauma? Trauma é algo que aconteceu no passado e que afeta como seu personagem age. Esses momentos tensos ficam conosco por um longo tempo e nos fazem pensar sobre o que queremos e no que acreditamos.

  • Talento: Seu personagem tem algum talento? O que o faz diferente dos outros personagens da história?

  • Vícios: Seu personagem bebe? Fuma? Se droga? É viciado em comprimidos para dor? Essas coisas podem ajudá-lo ou impedi-lo de atingir seus objetivos.


“Nunca trate um personagem como tapa-buraco ou um mero mecanismo para avançar seu enredo.”
(Bill Wright. Thinking Animation, pág. 66)

“Bons vilões começam como quaisquer personagens memoráveis – com humanidade. Um bom vilão é um ser humano com um defeito fatal.”
(Angie Jones e Jamie Oliff. Thinking Animation, pág. 80)


Material consultado:

Angie Jones e Jamie Oliff. Thinking Animation. Disponível em: http://thinkinganimationbook.blogspot.com.br/ Acesso em: (Na verdade, alguém me passou o link para download do arquivo em inglês pelo twitter. No site, não tem para baixar. Se a pessoa ler este post, por favor, avise nos comentários).



Anne L é beta reader, moderadora do Nyah! Fanfiction, supostamente escritora e estudante de Engenharia Mecatrônica. É louca por seriados, mangás, HQs e livros e gosta de manter coleções de tudo, apesar de não ter lugar para guardar.






6 comentários:

  1. Olá, gostaria de saber se vocês poderiam montar um post sobre como escrever uma boa crítica, acho que seria legal. Seria um topico que eu gostaria de ler.

    ResponderExcluir
  2. Olá, ....::::Loading::::....

    Sobre seu comentário, podemos elaborar, sim, uma postagem falando mais especificamente sobre como elaborar uma crítica. De todas as formas, o post da Duda S. sobre como elaborar um review é uma ótima introdução ao tema

    http://ligadosbetas.blogspot.com.br/2013/03/como-escrever-um-bom-review.html

    Obrigada pela sugestão =)

    Um abraço

    Liga dos betas

    ResponderExcluir
  3. Acho que vou adotar essa ficha, é mais específica do que a que eu costumo utilizar.
    Agora... para essa ficha ser bem preenchida, as pessoas precisam abrir mais a mente e ver o mundo de verdade ao seu redor. Esquecer que só existem pessoas lindas e loiras de olhos azuis. Ricas e filhas de presidentes da companhia da empresa Petrobrás.
    É tão decepcionante quando as pessoas escrevem o mundo perfeito. Ou quando não, fazem o clichê da Cinderela. Nada contra, podem existir muitas histórias boas com esse enredo, mas a novidade mandou beijos e se jogou pela janela.

    ResponderExcluir
  4. Nossa!
    Muitíssimo obrigada por um post tão bom.
    Essa ficha salvou a minha vida. A ficha que eu normalmente uso é pequena e incompleta comparada a essa, realmente vou adotar essa e abusar dela quando for fazer uma nova personagem.
    Gostaria de saber se vocês têm um post falando sobre como fazer boas oneshots, senão tiverem, poderiam fazer? Eu realmente amo oneshots, mas tenho muita dificuldade em escrevê-las, apesar dos meus leitores sempre falarem que as escrevo muito bem.

    E novamente muito obrigada por esse post e esse ótimo blog!

    ResponderExcluir
  5. Eu adorei essa ficha, eu já tinha uma mais ela não é tão direta quanto essa. Muito obrigada.
    Eu amo o blog e ele sempre me ajuda.

    ResponderExcluir

O blog da Liga é um espaço para ajudar os escritores iniciantes a colocarem suas ideias no papel da melhor maneira possível.



As imagens que servem de ilustração para o posts do blog foram encontradas mediante pesquisa no google.com e não visamos nenhum fim comercial com suas respectivas veiculações. Ainda assim, se estamos usando indevidamente uma imagem sua, envie-nos um e-mail que a retiraremos no mesmo instante. Feito com ♥ Lariz Santana